Emanuela Sousa

08/11/2020
 
O Mundo está em transformação, e eu também. 
 
 
Nada será como antes... Suspiro em voz baixa enquanto aperto o primeiro andar do elevador. Não sei o porque este pensamento saiu de mim...
 
Misturei o leite ao café na xícara, liguei a tv (momento que lá é meio raro). Na verdade eu estava querendo fugir um pouco das notícias na internet, mas foi em vão... Continuo com o mesmo sentimento quando leio as manchetes do caso de Mariana Ferrer,  a sensação de injustiça fica, de indignação... E acredito que todas nós mulheres compartilhamos o mesmo sentimento esses dias...Do outro lado, o barulho das eleições nos Estados Unidos ressoando em todos os lugares. 
 
Desligo logo em seguida. Silencio tudo. Como ser neutra diante de tanta coisa acontecendo no mundo? 
 
Saudades de quando eu sabia neutraziar as emoções, saudades de não sentir absolutamente nada. 
 
Esta semana minha cabeça não parou de pensar, tive muitas ideias, diversas delas não passam de devaneios, fantasias... Eu poderia jogar a culpa na Tpm por exemplo,  mas prefiro assumir e pensar que estou passando por uma fase de transformações, que exigem um certo  trabalhinho de canalizações.
 
Tenho andado bastante cansada ultimamente... E acho que comentei isso na semana passada. O cansaço é mental, eu diria. Se pudesse, eu pegaria a primeira carona que parasse em frente à minha porta e iria para longe, onde eu buscaria um pouco de paz admirando o pôr do sol, com meus pés sobre a areia, respirando outro ar. Ainda tenho fé, que sob o sol de dezembro eu ir me abastecer me dando este privilégio.
 
Moram em mim centenas de emoções, pessoas, quinquilharias que há um tempo acumulo e algumas memórias. Só gostaria avisar que estou me cansando de carregar certas  coisas comigo, daqui há algumas semanas precisarei despachar algumas coisas e alguns rostos que já não fazem mais parte do meu atual presente, mas isso nao significa que deixei de ama-las, e sim que elas não acompanham mais, nos perdemos no caminho; cada um seguiu o seu rumo. Precisamos dizer adeus e seguir o percurso da vida. Certas memórias também precisam ficar só nas lembranças, eu ainda estou aprendendo a ressignifica-las e aceitar que elas não voltarão mais... 
 
O mundo esta passando por um período de transformação, e eu também. Chegada a época do aniversário, e me vejo cada vez mais distante de uma antiga figura minha, a impressão que tenho é que estou me tornando outra pessoa, segurando os mesmos valores, mas quebrando padrões limitantes. O que pode ser algo incrível, vendo do lado de fora, mas assustador para mim do lado de dentro.
 
Já não quero mais segurar padrões que impedem de ser quem eu sou, já está sendo chato segurar memórias que não são mais benéficas, pessoas novas estão chegando, bateram na porta, de forma silenciosa mas trazendo um mundo de novos conhecimentos, talvez seja por isso que estou me sentindo cansada... Veja o tanto de tranqueiras que venho carregando só para ter a velha desculpa do apego?... Muitas.
 
E você, leitor distraído? O que vem trazendo aí nessa bagagem da alma? 
 
Quem vai, e quem fica?  O que você está precisando reciclar? 
 
Aproveite este momento... O mundo está mudando, revoluções pedem para vir à tona. 
 
 
Mexa-se.