Carta para um mundo depois que o fim do mundo passar

14/05/2020

Por: INGRID CARRAFA
Foto: Arquivo pessoal
 
 
 
O mundo depois que o fim do mundo passar vai continuar o mesmo, minha cara amiga
 
Não se engane não
 
Ainda teremos bilhões sendo desviados da merenda e da educação
 
E nossas crianças – tão amadas, ovacionadas como futuro da nação –
 
continuarão comendo apenas biscoito com leite diluído em água
 
Nas escolas bombardeadas com a falta de livros didáticos, carteiras, ventiladores nesse “país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza”
 
Os professores também continuarão no mundo depois que o fim do mundo passar
 
Nessas mesmas escolas bombardeadas surrados com seus salários de fome tendo que pegar quatro, cinco, dez, quinze turmas para sobreviver
 
Acredite, minha amiga
 
Não é pessimismo não
 
O mundo depois que o fim do mundo passar vai continuar prestigiando o jogador de futebol – nada contra, veja bem-
 
Enquanto a jornada de um técnico em enfermagem se estende por dias e noites a fio
 
Com a insalubridade cortada o ticket e o plano de saúde também
 
Namastê, gratidão
 
Para depois que o fim do mundo passar???
 
Não não
 
Mulheres continuarão sendo estupradas, mortas, agredidas a cada segundo
 
aos montes por aí
 
Mais uma para estatística – comentará o “cidadão de bem”
 
Filho gay? Lésbica? Nem pensar!
 
É doença! Vai ter que curar
 
Como assim? No mundo depois que o fim do mundo passar??
 
A periferia que já era invisível continuará com aquela invisibilidade seletiva, me entende?
 
O playboy ainda vai subir o morro pra pegar cocaína sendo desviado
 
do navio negreiro camuflado de camburão
 
e a mãe preta solteira e favelada pra madame da High Society vai continuar sendo a empregada
 
Os índios dizimados? Dizimados continuarão
 
Arroz, feijão, farinha no prato do trabalhador brasileiro
 
se não faltar, continuará do jeito que está
 
Carne, fruta, leite?
 
Com o salário mínimo nem vai rolar
 
A meninada vai continuar pedindo no sinal
 
pois em casa não vai ter o que comer
 
miséria e sonho - tudo reduzido ao pó -
 
Me despeço agora, querida companheira
 
Não pense que estou lutando menos ou que me entreguei
 
Continuo apesar de
 
Está um dia ensolarado aqui no Espirito Santo
 
E, cá entre nós, honestamente, se for para estar no mundo depois que o fim do mundo passar
 
Prepare os molotovs
 
Cuide-se. Em breve, talvez, juntas