Ministra ucraniana ironiza "gesto de boa vontade" dos militares russos em relação à guerra

06/04/2022


Foto: dw.com

 

Em pronunciamento oficial, nesta quarta-feira, Iryna Vereshchukice, vice-primeira-ministra da Ucrânia, comentou sobre a atual situação do confronto bélico entre o seu país e a Rússia, que já se estende por mais de 1 mês. De forma irônica, a dirigente analisou a ação de retirada das tropas russas de Kiev e Kharkiv, classificada pelo Kremlin como um “gesto de boa vontade”. 

 

Como justificativa ao seu parecer, a vice-primeira ministra afirma que a saída dos militares russos das duas cidades ucranianas não se constituiu como um ato de boa vontade de Vladimir Putin, mas uma ação soberana do povo do seu país. "Não foi um gesto de boa vontade antes da próxima rodada de negociações, como as autoridades russas estão tentando apresentar. Foi um gesto da vontade de ferro de nosso exército, governo e todo o povo ucraniano", ressaltou Vereshchuk. 

 

Em mensagem aos cidadãos, a ministra ressaltou a necessidade dos moradores, sobretudo de Kharkiv e das áreas separatistas de Lugansk e Donetsk, deixarem suas casas imediatamente, como uma forma de preservar suas vidas, uma vez que as tratativas de paz ainda estão sendo discutidas. "É necessário agora, porque então as pessoas estarão sob fogo cruzado e ameaçadas de morte. Será quase impossível parar o fogo. É necessário evacuar enquanto houver essa possibilidade”, enfatizou. 

 

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, enfatizou que os militares do seu país não mataram civis nessas regiões do leste da Ucrânia. Ademais, o representante do governo russo reiterou a “ação de boa vontade” que os soldados demonstraram no que tange aos civis da nação vizinha. "Decidimos dar este passo como um gesto de boa vontade para criar condições favoráveis. Podemos tomar decisões sérias durante as negociações e, portanto, o presidente Putin ordenou a retirada das tropas da região", declarou.