ABC goleia América por 4x1 e acentua crise no rival

20/03/2017

Por: Pedro Henrique Santiago
Foto: Tribuna do Norte

Na noite desse domingo, o Estádio Maria Lamas Farache, o Frasqueirão, foi palco de mais um triunfo do ABC diante do América. Menos de um ano após a fatídica final de estadual do 4x0, o time alvinegro aplica novamente 4 gols no alvirubro, que dessa vez conseguiu deixar a marca em uma oportunidade.

O Mais Querido abriu uma bela vantagem já no primeiro tempo, Cleiton e Gegê, em dois belos gols, deram tranquilidade ao ABC. No segundo tempo, Richardson aumentou o placar para 3x0. O alvirubro tentou correr atrás do prejuízo com o gol de Paulão, de cabeça, mas Gegê nos acréscimos, deu números finais a partida, 4x1.

Com o resultado, o ABC estreou bem na competição. Já o América, terminou o final de semana como último colocado da Copa RN, o segundo turno do estadual. 

OPINIÃO

Se a situação do América está terrível, não tem quem ajude. No jogo diante do ABC, não posso deixar de comentar a escalação no mínimo esquisita do treinador Flávio Araújo. Enquanto o técnico Geninho tinha vários desfalques, e não inventou, o treinador americano colocou uma formação em campo, repleta de equivocos. Um sistema defensivo com Fred, Everton, Paulão, Richardson e Michel Benhami. Isso mesmo, Michel Benhami de lateral-esquerdo. No meio de campo, Memo e Felipe Alves, com Geovani na armação da equipe. Na frente, Flávio escalou o contestado Dija Baiano, com Jean Patrick e Lúcio Curió no ataque rubro.

Por mais que Danilo - titular da lateral-esquerda - não estivesse relacionado para o jogo, alguma opções poderiam ser melhores, do que escalar um titular do meio de campo, na lateral. Essa passa. No meio de campo, Memo e Felipe Alves na proteção. Memo em 2016 era titular inconstestável na volância americana, mas depois de voltar da Índia, o jogador ainda não se encontrou, e ninguém clama pela titularidade do atleta. Felipe Alves começou bem a temporada, mas caiu junto com o time. Titular desde o princípio da temporada, Marcos Júnior foi para a reserva nessa partida, um equívoco. O jogador vinha sendo o jogador mais lúcido da equipe até o momento, mesmo com a situação difícil. O segundo equívoco acontece ao deixar Somália no banco de reservas. O jogador poderia claramente ocupar o lugar tanto de Memo, quanto Felipe Alves. 

O meio-campista Michel Benhami, escalado na lateral-esquerda é titular nesse meio de campo. Sem dúvidas. Com essas ressalvas, a situação ideal seria escalar Marcos Júnior, Somália e Benhami no mesmo time, e não deixar os três de fora do meio-campo titular em um Clássico-Rei.

No ataque, as maiores contestações. Dija Baiano chegou do Volta Redonda como destaque da Série D de 2016, mas até agora não mostrou há que veio. Aliás, os constantes desentendimentos com a torcida tornam o jogador alvo fácil de críticas. Jean Patrick oscila boas e más partidas. Lúcio Curió, o "Vaqueiro" escalado com titular, camisa 9 da equipe americana. Mais um equívoco. Tony é artilheiro da equipe numa temporada horrível. Tony corre, há esforço, e já colocou bolas na rede em 2017, embora a técnica não seja a sua principal característica. Lúcio Curió veio como pedido da torcida, Surian na época nem conhecia o atleta, e o recebeu já o colocando para jogar, mas Lúcio tem andado em campo, parece um jogador sem vontade, e nem de longe lembra a sua primeira passagem por aqui. 

O  ABC não precisou de muito esforço, com tantos equívocos, e uma crise que parece não ter fim, o América já entra em campo com espírito derrotado, sem brio, não da para saber quando será o fim da crise. Bastou para Geninho não inventar, fazer o simples, e deixar o América na roda.