Arthur Dutra

15/01/2020
 
Por uma Natal de volta ao mapa dos negócios
 
Notícia muito preocupante para Natal, e que deve nos fazer pensar na cidade que teremos no futuro. Um estudo elaborado pela consultoria Urban Systems, em parceria com a Revista Exame, mapeou as 100 melhores cidades brasileiras para se fazer negócios. O estudo levou em consideração itens como desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, infraestrutura e capital humano. Após a análise desses quatro aspectos, Natal ficou fora desse ranking das 100 cidades brasileiras que se abrem para o mundo dos negócios. Isso é uma tragédia para uma capital com quase um milhão de habitantes! Mas não é só isso.
 
A Urban Systems vem fazendo esse mesmo estudo ano a ano, desde 2014, acompanhando a evolução das cidades analisadas.  Na primeira versão do ranking, Natal ocupava a posição 54 entre as 100 melhores cidades para fazer negócio. 
 
Em 2015, caímos para a posição 86. 
Em 2016, caímos para a posição 96. 
Em 2017 subimos para a posição 48. 
Em 2018 voltamos a cair, chegando na posição 86.
E agora, nessa edição de 2019, ficamos pela primeira vez fora desse ranking. 
 
É um retrato que apenas confirma o péssimo momento que Natal vive. Uma cidade com ambiente hostil e proibitivo aos negócios e à inovação, que afugenta investidores e inteligências para se fechar na mediocridade e na hostilidade ao desenvolvimento. E todo mundo perde com isso, independente da classe social a que pertença. Saliente-se que o estudo leva em consideração inclusive indicadores sociais da saúde, educação e transporte, itens básicos para o funcionamento de qualquer cidade e para a qualidade de vida de seus cidadãos. 
 
O empreendedor é, por natureza, alguém que prospera em meio a adversidades, que é capaz de criar oportunidades – para si e para os outros - em meio às dificuldades. Mas isso não significa que a cidade tenha que criar barreiras intransponíveis para os agentes econômicos. Ao contrário. Num mundo altamente competitivo, temos que atrair, e não afastar quem deseja fazer negócios na nossa cidade. Chega de ser a capital que patrulha o lucro alheio e, com isso, fecha todas as portas ao investimento! 
 
A realidade é que outras cidades estão tomando nosso espaço de forma voraz, conforme prova o ranking da Urban Systems, e enquanto isso vamos nos perdendo em discussões infinitas sobre ninharias. Não dá. O mundo está girando e nossa cidade parada no tempo. É hora de recuperar o tempo perdido. Passadas largas, firmes e ousadas rumo a uma meta: ocupar o primeiro lugar desse ranking. Porque não? É possível! É cultivando esse espírito desbravador que teremos uma grande e próspera cidade.