Ananda Carvalho

26/12/2019
 
Histórias (de maneira suspeita até) bem parecidas
 
 
Não é muito difícil você ver um filme, ler um livro, ou outra mídia, e pensar que já viu aquela história em algum lugar; as vezes até mais de uma vez.
 
E tanto existem casos de histórias descaradamente copiadas (em alguns casos com o criador afirmando que não foi plágio, e na maioria das vezes não dá muito para provar, então fica por isso mesmo), como de histórias já tão conhecidas que acabam se repetindo cansativamente até o publico perceber que já viu aquilo antes.
 
Um dos casos mais famosos, é o do homem (normalmente branco, vindo de algum país da Europa ou Estados Unidos) que vai explorar uma terra, e acaba criando um vínculo com os nativos, muitas vezes por se apaixonar por uma mulher dali; bom eu posso estar falando de Pocahontas, Avatar, Dança com os Lobos, ou até mesmo Iracema de José de Alencar. E por mais que a história nativo-estrangeiro seja praticamente a história de metade do mundo, não há como negar que são roteiros parecidos até demais.
 
A saga de livros Jogos Vorazes foi duramente apontada como uma cópia de Battle Royale do autor japonês Koushun Takami, pelas duas obras tratarem de um grupo de jovem mandados a uma espécie de arena onde apenas um pode sair vivo, cada saga com sua especificação de tempo e da escolha dos personagens.
 
Não só o plot, muitos detalhes dos livros como os personagens usando assobios de pássaros para se encontrarem; Quando no final de cada dia aparece no telão em Jogos Vorazes os que morreram e em Battle Royal o Idealizador divulga o nome dos mortos nas últimas horas; A autora de Jogos Vorazes, Suzanne Collins, mantêm até hoje que nunca havia ouvido falar na obra Japonesa; Por mais que seja possível ser realmente uma coincidência, é no mínimo, muito estranho.
 
Vários outros casos poderiam entrar nessa lista, como Eragon, que é muito comparado a Star Wars, por ter inúmeros elementos parecidos, como um jovem que mora com os tios, não sabe ao certo sobre seus pais, um ex cavaleiro que vive escondido e agora ajuda o treinamento do protagonista, um irmão perdido, o pai do protagonista que acaba indo para o lado do mal, entre outras coisas; Ou seja, um número de “detalhes”, no mínimo suspeito.
 
E essa lista poderia durar páginas e página, passando por plágios praticamente completos como Rei Leão, e a animação Japonesa Kimba, O Leão Branco que teve sua primeira aparição em 1950 e apareceu como animação em 1965; Entre outros tantos casos. Ah, e lembrando que Rei Leão e qualquer outra história do jovem que perde o pai morto pelo tio, no fundo, é Hamlet, de Shakespeare, escrito por volta de 1600.