PSB realiza congresso em Natal e foca em nominatas para eleger maior número de deputados no RN

25/03/2022


Foto: Cedida

O Partido Socialista Brasileiro, realizou na nesta quinta (24), o congresso Estadual do partido em Natal, onde estiveram presentes, o presidente estadual do partido o deputado federal Rafael Motta, o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira e dois deputados federais do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo e Alessandro Molon, que vão compor a chapa de governador e senador naquele estado do Sudeste do país, além de Pedro Campos, filho do falecido governador pernambucano Eduardo Campos. No intuíto de preparar as nominatas que deverão disputar a assembleia legislativa e a câmara federal nas eleições de 2022 no Estado.

No discurso feito por Rafael Motta, enfatizou que  “o momento oportuno para homologação de candidaturas é mais à frente, mas obviamente faz-se um estudo e estratégico para formação de nominatas, o cenário do jogo político ainda está se elaborando, mas estamos buscando novos filiados”.

Durante o Congresso, o PSB recebeu novas filiações, mas havia a expectativa de apresentação de alguns nomes, que acabou não ocorrendo. O partido apresentou a filiação da primeira vereadora transgênero do Estado, Thabata Pimenta, de Carnaúba dos Dantas, que deixou o PROS, além do ex-vereador do PT em Natal, o sindicalista Fernando Lucena, ambos vão disputar uma cadeira de deputado estadual.

Para o âmbito Nacional o presidente do Partido Carlos Siqueira afirmou  “Não existe nenhum diretório do PSB contrário à união com o PT, inclusive o apoio é unânime dentro do partido. Houve um momento em que se discutiu alguns nomes, mas isso já foi superado e temos 100% do partido fechado com a hipótese da coligação com o ex-presidente Lula. Não há divergências, nós recebemos com muito prazer e alegria o ex-governador Geraldo Alckmin na perspectiva de oferecê-lo como o vice do presidente Lula, de uma forma absolutamente homogênea com o PSB totalmente favorável a essa possibilidade”, declarou.

Carlos Siqueira disse que, “existem regiões que vamos concorrer com o apoio do PT, há outros locais que não teremos, serão dois candidatos um do PSB e outro do PT, mas quem chegar ao segundo turno se une ao outro e vai embora. A nossa relação com o PT está muito boa, claro que há em alguns Estados disputa, mas isso é da natureza da democracia e não há nenhum problema, pois, cada partido tem o seu candidato. Mas, quem for para o segundo turno, como temos proximidade, poderemos estar juntos”, destacou.