"A China está dando apoio político à Rússia", afirma secretário-geral da OTAN

24/03/2022


Foto: aventurasnahistoria.uol.com.br

 

Por meio de pronunciamento oficial, nesta quarta-feira (23), Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, acusou a China de oferecer apoio político à Rússia, que trava uma guerra que já se estende por um mês contra a Ucrânia. De acordo com o dirigente da organização, o país asiático ajuda o governo de Vladimir Putin com a disseminação, inclusive, de mentiras e desinformações por meio de sua imprensa. 

 

Apesar de não apresentar provas, Stoltenberg se alia ao discurso do governo norte-americano, o qual também alertou sobre a possibilidade de Pequim estar prestando apoio material à invasão da Ucrânia”. Ademais, o secretário, assim como fizera os EUA, convocou a China para se aliar aos países ocidentais no que concerne às negociações de paz entre os vizinhos do Leste Europeu.

 

Em resposta aos comentários do secretário-geral da OTAN, Wang Wenbin, ministro das Relações Exteriores da China, salientou que o próprio Stoltenberg, quando suscita essa possibilidade em relação a uma nação, está difundindo desinformação. "Acusar a China de desinformação sobre a Ucrânia é uma desinformação em si mesma. Estados Unidos e Otan devem dialogar com a Rússia para desfazer o nó da crise ucraniana. Para resolver uma crise, precisamos estar calmos e ser racionais, não jogar lenha na fogueira", ressaltou. 

 

O ministro chinês ainda reiterou o posicionamento neutro do país, mas também um possível papel de mediação no diálogo visando o cessar fogo. "Sempre defendemos que a Ucrânia seja uma ponte entre Oriente e Ocidente, e não a vanguarda de um jogo de grandes potências", argumentou Wang Wenbin.