As Forças Armadas vão aceitar uma eventual vitória de Lula? Hamilton Mourão avalia

09/03/2022


Foto: jornaldacidadeonline.com.br

 

Em entrevista ao site Metrópoles, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) comentou sobre a possibilidade das Forças Armadas não aprovarem uma possível eleição de Lula no pleito presidencial deste ano. De acordo com o general da reserva, não haverá nenhum problema no que tange a uma eventual vitória do petista nas urnas, uma vez que as Forças Armadas sempre mantiveram uma posição de neutralidade no ambiente democrático. 

 

Como forma de enfatizar seu parecer, Mourão deixa claro quais são as atribuições das Forças Armadas, além de ressaltar que, em 14 anos de gestão petista, a relação com o executivo federal foi pautada pela harmonia. "As Forças Armadas têm se mantido dentro dos limites dos deveres constitucionais dela, têm agido dessa forma ao longo de todo esse período, desde o término do período de presidentes militares. As Forças Armadas não se meteram em nenhum processo eleitoral. Fomos aí, ao longo de 12 anos, 13 anos, governados pela esquerda, pelo PT, sem problema nenhum”, disse o general. 

 

No que se refere à disputa particular entre Lula e Bolsonaro na corrida ao Palácio do Planalto, o vice-presidente considera o petista como favorito e adota uma postura de cautela ao falar sobre a possibilidade de um terceiro nome surgir até outubro. "O presidente Bolsonaro vem recuperando terreno nessas últimas pesquisas, mas, face ao número de pessoas que dizem não votar nem em um nem no outro, sempre existe a possibilidade de aparecer alguém que empolgue esse eleitorado e, consequentemente, seja um terceiro candidato capaz de mudar o cenário. Mas hoje acho difícil”

 

No que concerne à relação que nutre com o presidente Bolsonaro, Mourão adota uma postura serena, afirmando que trata-se de um vínculo meramente “protocolar”. "Ele é presidente, eu sou vice-presidente. Procuro executar as tarefas que ele me dá, como essa tarefa que ele me deu de ir ao Chile (para a posse do novo presidente eleito, Gabriel Boric, nesta semana). Ele tem meu apoio no projeto de reeleição dele, e eu também espero contar com o apoio dele no meu projeto de ser eleito senador”, concluiu o general.