OMS sobre fim da pandemia: “É cedo para cantar vitória”

03/03/2022


Foto: agenciabrasil.ebc.com.br

 

Em entrevista virtual, nesta quarta-feira (2), Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), falou sobre a possibilidade do mundo estar presenciando o fim da pandemia. De acordo com o dirigente, é “prematura” a ideia, na medida em que o nível de contaminação global continua elevado e o processo de vacinação ainda não alcançou um patamar mínimo exigido. 

 

"É muito cedo para cantar vitória. Ainda há muitos países com baixa cobertura vacinal e alta transmissão", salientou. 

 

Adhanom ressaltou ainda que é real a chance de surgir uma nova variante do vírus e enalteceu a necessidade da intensificação do sistema de imunização. Ademais, o diretor classifica como “animadora” a redução da disseminação da pandemia, além da atenuação das medidas restritivas adotada pelos países. 

 

No que se refere a Ômicron, a chefe do Departamento de Doenças Emergentes da OMS, Maria Van Kerkhove, falou sobre a letalidade da variante em relação às outras mutações e aponta o processo de vacinação como “insuficiente” para refrear o seu avanço. "Embora a ômicron seja menos grave, o número de internados e mortos é superior ao da delta, devido ao seu maior volume, à carga sanitária acumulada e porque os níveis de cobertura vacinal são insuficientes", afirmou. 

 

Por fim, o assessor do diretor da OMS, Bruce Aylward, discorreu sobre a desigualdade no sistema de imunização no mundo, uma vez que o controle das vacinas se encontra em poucas mãos. "A única maneira de alcançar a segurança global é com uma distribuição mais equitativa dos imunizantes, disse.