“O ‘olavismo' vai sobreviver”, diz estudioso da chamada nova direita

26/01/2022


Foto: www2.ufjf.br

 

Nesta quarta-feira, em entrevista à BBC News Brasil, o professor Jorge Chaloub, um dos principais estudiosos da chamada "nova direita" no Brasil, declarou que, apesar da morte do escritor Olavo de Carvalho, o ‘olavismo’ se manterá vivo. O guru bolsonarista faleceu na segunda-feira; a causa do óbito ainda não foi divulgada.

 

A morte do astrólogo e autodeclarado filósofo suscitou comoção entre os adeptos da nova direita, termo que designa uma nova geração de conservadores no mundo. Embora não saiba qual dimensão cronológica terá a ideologia defendida por Olavo de Carvalho, Chaloub ratifica que ela está consolidada. "O olavismo vai sobreviver à morte de Olavo de Carvalho. A questão é saber qual a proporção que ele terá no futuro". 

 

O termo ‘olavismo’ é definido, segundo Jorge Cheloub, como uma doutrina promovida pelo escritor em livros e aulas online, a qual preconiza ataques reiterados à esquerda mundial, além de denunciar possíveis conspirações de bilionários de base progressista para controlar a economia e a política em escala global. 

 

No que concerne à relação entre Olavo de Carvalho e o bolsonarismo, Cheloub admite alguns aspectos em comum, mas deixa claro que são dois movimentos ideológicos distintos. "O bolsonarismo não se confunde com o olavismo. O bolsonarismo surge como representante de uma coalizão heterogênea de direita e extrema-direita e o olavismo é uma parte dessa composição. Era a parte que mobilizava discursos reacionários no sentido crítico. O olavismo é uma parte do imaginário bolsonarista. Mas as ideologias políticas não operam apenas pelos que assumem suas ideologias, mas também pelas disputas que estabelecem. O olavismo, por exemplo, estabeleceu diversos embates com outras correntes do bolsonarismo. Um exemplo foram as disputas entre a ala olavista e os militares por cargos e espaço no Ministério da Educação”, disse.