ENEM: RN teve 43% a menos de inscritos em relação ao ano de 2020

30/11/2021

Por: Jessyanne Bezerra
Foto: Sara Cardoso/Inter TV Cabugi

 

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é a principal porta de entrada dos estudantes para o ensino superior. No entanto, a tradicional prova que ocorre todos os anos, em 2021 teve seu formato modificado.

Devido à pandemia, os estudantes tiveram que enfrentar duas edições do processo seletivo em um ano só. O calendário apertado é uma das consequências de uma combinação, descaso governamental e covid-19, que afetaram diretamente os participantes.

A especialista em educação, Cláudia Santa Rosa esclarece que: “A educação brasileira vive um momento bastante delicado e a do RN não é diferente. A pandemia tem deixado pelo caminho muitas crianças e jovens à margem do direito de aprender e isso é um fato. Mascarar a realidade nunca contribuirá para recuperamos esse tempo de perdas”

Com aproximadamente 73 mil estudantes, o Rio Grande do Norte registrou um número de candidatos inscritos 43% menor do que na edição anterior. A pandemia e as dificuldades de acesso à educação remota são os principais motivos por essa diminuição. “O RN teve 43% a menos de inscritos em relação ao ano de 2020 que já foi uma edição conturbada. Logo, a edição de 2021 já eliminou no período de inscrições uma parte daqueles que, provavelmente, desistiriam mais tarde. Com isso enxugou à partida”, declarou a ex-secretária de educação do RN.

Do total de 71.641 inscritos aguardados em 40 municípios potiguares, 21,7% não compareceram à prova impressa. Na versão digital, o percentual foi de 38%. Isso representa cerca de 15,5 mil candidatos. “Infelizmente os dados sugerem que realmente se inscreveram aqueles jovens que se sentiram potencialmente capazes de realizar as provas”, afirmou Cláudia Santa Rosa.

Ainda em relação a abstenção, o estado apresentou índices bem menores do que em 2020. Os números de faltosos são referentes ao primeiro dia (21) de aplicação da prova. E apesar do RN ser um dos estados que registrou menor percentual neste ano, a preocupação ainda é recorrente visto que os índices ainda são altos.

Sobre isso, a educadora explicou: “Houve uma abstenção de mais de 25%, ou seja, um quarto dos inscritos. Mesmo sendo um percentual abaixo da média nacional, ainda é significativo”.

Em relação ao ENEM e o cenário educacional nacional, a ex-secretária de educação do RN alertou sobre como a pandemia mostrou que os problemas nessa área estão longes de serem problemáticas relacionadas ao vírus. E os resultados desse processo seletivo serão determinantes para o futuro da educação brasileira. “Sinaliza que o país precisa retomar o compromisso com a Educação. Vivemos um momento que o entendimento é de que a escola pode ficar para depois, que o estudante pode se ausentar. Há escolas públicas com turmas muito reduzidas no número de alunos porque eles não retornaram ao presencial e muitos também estiveram ausentes do ensino remoto. Isso é muito preocupante”, afirmou Cláudia Santa Rosa.