Lula quer amordaçar a imprensa?

23/09/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: renovamidia.com.br

 

O projeto de regulação da mídia, que voltou a ser defendido pelo ex-presidente Lula nos seus últimos discursos, vem gerando controvérsia não apenas entre os veículos de imprensa, mas também em alas do próprio partido. Segundo informações internas da legenda, a defesa de Lula para criar um marco regulatório para a mídia, se constitui como um “tiro na cabeça” em suas pretensões eleitorais para 2022.


Nesse sentido, nas últimas semanas, lideranças do Partido dos Trabalhadores procuraram Lula para tentar dissuadi-lo dessa ideia, uma vez que poderia ser interpretada como apologia à censura. Além disso, de acordo com esse grupo de correligionários, o ex-mandatário deveria focar nos ataques à política adotada pelo atual governo federal e em suas propostas para o país, deixando de lado atitudes que possam associá-lo ao próprio Jair Bolsonaro.


Conforme relatos de membros da cúpula do partido, Lula precisa abandonar as orientações de uma ala mais radical da agremiação e adotar uma postura, sobretudo a um ano do pleito presidencial, mais equilibrada em relação a assuntos polêmicos. “O presidente precisa ouvir menos a Gleisi e mais o Jaques Wagner. Ouvir quem quer olhar para o futuro e não ficar remoendo o passado”, afirmou um petista.


A regulação da mídia é, na verdade, um assunto defendido por Lula e pela ex-presidente Dilma Roussef quando comandava o Palácio do Planalto, porém jamais avançou nos 14 anos em que o PT esteve à frente da nação. Segundo o ex-presidente, a imprensa o persegue, na medida em que deu amplo espaço para as acusações dos procuradores da Lava-Jato em seus processos, além de não terem tratado o suposto golpe contra Dilma de maneira imparcial. 


Como defesa ao seu projeto, Lula cita sua relação com a Venezuela: "Eu vi como a imprensa destruía o Chaves (ex-presidente da Venezuela). Aqui eu vi o que foi feito comigo. Nós vamos ter um compromisso público de que vamos fazer um novo marco regulatório dos meios de comunicação e espero que os senadores e os deputados entendam que isso é necessário para a democracia. Inclusive vamos discutir com a sociedade uma regulação da internet", declarou.