Paraense radicada em Natal lança ´Agouro`: poesias e prosas sobre sensibilidades

11/08/2021


 
 
Dentre as principais coisas observáveis com tamanho agrado estão: o céu, a estrada vazia, os olhos dos meus cachorros e o desenho do seu perfil. Repleta de versos dedicados sobre partilhas, em Agouro (2021), livro de Maíra Dal’Maz, a autora leva o leitor a escavar a raiz dessa palavra. É preciso estar atento para intuir os processos sutis da escritora, fruto de suas conexões de vida, leituras e memórias. 
 
O livro é mais um projeto encabeçado e editado pela Editora Escaleras (PB), da escritora Débora Gil Pantaleão, forte apoiadora de mulheres nordestinas escritoras, tendo sido desengavetado após uma chamada pública em 2020. Agouro está agora disponível para venda de seus exemplares físicos no site da editora como também na rede social da escritora. 
 
Alguns dos textos de Maíra são registros de sonhos, portanto cheios de digressões em sua construção, outros são registros de obsessões, todos traçados tais quais retratos nesta escrita. A publicação conta com 97 páginas ao todo, sendo 40 poemas e 5 prosas, textos nos quais Maíra atravessa referências como Emily Dickinson, Allen Ginsberg, Carolina de Jesus, Tula Pilar, assim como as estradas macias e perigosas do Brasil e de seus relacionamentos
 
A poeta estimula o leitor a captar que independente da palavra impregnada de conotações negativas circundando o imaginário popular, o agouro sempre é precedido de sensíveis observações ao cotidiano, para só então poder ser sentido.  
 
Maíra Dal’Maz é poeta, escritora, professora, formada em Letras, Mestra em educação e especializada em Libras. Nasceu em 1991, em Monte Dourado, Pará, mas vive em Natal, Rio Grande do Norte, desde 1993, de onde lê, escreve e ensina. Seus poemas compõem algumas produções coletivas e independentes, como antologias e zines. Desde 2016, colabora com a mediação do grupo de leitura Leia Mulheres Natal. Esta é a sua primeira publicação individual.