Fábio Faria ou Rogério Marinho: quem você prefere no Senado?

30/07/2021

Por: Otávio Albuquerque
Foto: blogdobarreto.com.br

 

Dois nomes fortes do governo bolsonarista, o Ministro das Comunicações Fabio Farias (PSD-RN), e Rogério Marinho (PSDB-RN), ministro do Desenvolvimento Regional, aparecem como postulantes do Rio Grande do Norte à disputa para o Senado. Embora não assumam publicamente o antagonismo, é certo nos bastidores a intenção de ambos, sobretudo em um eventual cenário de derrota eleitoral do atual presidente no pleito de 2022.


Levando em consideração a proximidade com Bolsonaro, Fabio Faria supostamente leva vantagem nessa corrida, conseguindo, inclusive, viabilizar recursos importantes para o Rio Grande do Norte nos últimos meses. Marinho, por sua vez, estabeleceu uma parceria com Benes Leocádio (Republicanos), que será, provavelmente, um dos concorrentes ao governo do estado no ano que vem. 


A empreitada de Fabio Faria ao Senado não seria contemplada se o seu nome fosse ratificado como vice de Bolsonaro para 2022, posição que atualmente é ocupada pelo general Hamilton Mourão. Sem essa certeza, resta ao ministro das comunicações apontar para o Congresso, onde esteve por quatro mandatos consecutivos como deputado. No que concerne à disputa com Marinho, ele minimiza e aposta na acomodação: “quem quiser apostar qualquer coisa entre mim e o Ministro Rogério Marinho, pode apostar no resultado de entendimento”

 

Do ponto de vista da articulação, Rogério Marinho conseguiu arregimentar apoio em diversos municípios do RN, fato que viabilizaria seu nome tanto para o legislativo como para o executivo. Nesse sentido, o próprio Faria teria sugerido o nome do seu aparente adversário ao governo do estado, mas que não convenceu seu colega ministerial, uma vez que há o temor de uma derrota contundente para Fátima Bezerra nas urnas.


Atualmente, a única vaga ocupada pelo Rio Grande do Norte no Senado é exercida por Jean Paul Prates (PT), o qual expôs publicamente sua intenção de permanência no posto. Outro nome que pode aparecer neste cenário é o de Carlos Eduardo Alves (PDT), mas essa possibilidade ainda não foi ratificada pelo ex-prefeito de Natal.