Artigo: Como findará a pandemia?

27/05/2020

Por: GERALDO FERREIRA
 
Por mais terríveis que sejam, as pandemias tem um fim. Isso ocorre pela queda na transmissão do vírus, seja pelas suas mutações que diminuem a virulência, pela descoberta de um tratamento adequado ou pela imunização das pessoas, seja por terem contraído a infecção, seja pela descoberta de uma vacina.
 
Neste caso específico da Covid-19 a possibilidade de imunização cruzada com as pessoas já sendo imunes por outros vírus semelhantes que tiveram contato, mostra que, seguindo-se as medidas racionais de higiene, distanciamento social, barreiras sanitárias, testes e isolamento de doentes, proteção aos mais vulneráveis como idosos e portadores de doenças crônicas, a epidemia pode ter seu fim não tão longe.
 
Apesar das muitas incertezas, a visão é de que já enfrentamos o pico no Brasil, a flexibilização já se estabelece em alguns estados. A possibilidade de repiques na forma de uma segunda ou terceira onda ainda é possível até dezembro, o que significa que cada passo tem que ser bem monitorado.
 
Uma coisa chama a atenção positivamente, a França que a partir de 11 de maio começou sua volta à normalidade, teve a epidemia sob controle com apenas 4,4% da população infectada, o que sugere que parte da população talvez já seja imune. Isso não autoriza relaxamento nas medidas sanitárias, mas podem sinalizar que a Pandemia talvez não demore entre nós tanto como as previsões mais pessimistas anunciavam.