Pressão do Fórum de Segurança do RN surte efeito

17/05/2018


Foto: José Antônio Aquino em entrevista recente
Publicada em diário oficial na última quarta-feira, 16 de maio, a portaria Nº 001/2018 - IE/GDG/PCRN, designa  uma comissão formada pelos delegados de Polícia Civil, lotados na Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa, Frank José Albuquerque Silva, Patrícia de Melo Gama Paes e Leandro de Matos da Silva. Segundo a portaria, a ideia é que essa comissão apure a "autoria e materialidade de crimes violentos letais intencionais (CVLI), consumados ou tentados, cometidos contra os agentes de segurança pública na região de Natal e da Grande Natal".
 
Essa medida veio a partir da pressão feita pelo Fórum de Segurança Pública (FOSEG), que reúne diversas entidades que representam as muitas corporações ligadas à segurança no Estado. Uma delas é o Sindicato dos Policiais Federais (SINPEF/RN), presidido por José Antônio Aquino que explica que "diante da grave crise de segurança pública por que passa o RN, nós vivemos hoje uma realidade mais danosa que são os crimes contra policiais".
 
Na última quinta-feira, 10 de maio, integrantes do FOSEG entregaram ao governador Robinson Faria um documento oficial com propostas para mudar essa realidade. Uma delas era a criação de uma comissão para investiar os crimes contra policiais. "Segundo a OAB, apenas 50% dos casos de homicidios no RN tem investiações abertas pela delgacia de homicídios. Os operadores de segurança representam o Estado e se nem as mortes deles não são investigadas, imgina as do resto da sociedade?", questiona Aquino. 
 
Por isso, na recente portaria, a Delega-Geral de Polícia Civil Adriana Shirley de Freitas Caldas, define que a nova comissão irá apurar e investigar inquéritos ligados a crimes violentos cometidos contra agentes de segurança, desde janeiro de 2017, nas cidades de Natal, Ceará Mirim, Extremoz, Macaíba, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante e São José de Mipibu. 
 
José Antônio Aquino reforça que "depois que as entidades que compõe o FOSEG/RN propuseram, entre outros pontos, a formatação de uma equipe específica para realizar as investigações dos homicídios contra policiais, finalmente a Secrataria de Segurança Pública tomou a iniciativa de fazê-lo. É explícito que isso só ocorreu após a nossa pressão", conclui.