Conselho da Mulher de Parnamirim repudia declaração de delegada

30/11/2015


Foto: Divulgação
O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Parnamirim emitiu na sexta-feira, dia 27, uma nota de esclarecimento em repúdio às declarações da delegada titular da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM) de Parnamirim, Paoulla Maues, em matéria veiculada pelo jornal Tribuna do Norte do dia 26 de novembro de 2015, intitulada "Polícia prende suspeitos de estupro". 
 
Na referida reportagem, a delegada fez a seguinte colocação: "A menina não foi agredida. Ela foi sim, estuprada, está bastante assustada, mas não houve agressão física além do estupro", esclareceu a delegada Paoulla Maues.
 
O Conselho Municipal vem esclarecer, para conhecimento de todos, que estupro é uma das agressões físicas mais extrema cometidas e que deixa sequelas irreversíveis a saúde física e, principalmente, psicológica da mulher.
 
"É inadmissível que no ocorrido em Parnamirim com essa mãe e filha, o estupro sofrido por elas não seja considerado uma agressão. A violência sexual e estupro é um crime chocante e esse tipo de declaração mostra a falta de sensibilidade em enxergar que essa violência sofrida revela uma profunda desconsideração dos direitos, não somente da vítima, mas de todas as mulheres. O temor em relação a violação do corpo é um drama vivido por todas e essa colocação infeliz das palavras da delegada fortalece a percepção de que nossos corpos são vulneráveis e que pertence só a nós, mulheres, a responsabilidade de protege-los.Para nós a prática de estupro não pode ser justificada sob qualquer ótica que seja, ela deve ser punida de forma rigorosa", diz a nota.