Franklin Capistrano: “Nossa meta é aproximar ainda mais a Câmara e a população”

17/01/2015

Por: Pinto Júnior
Já empossado como novo presidente da Câmara Municipal de Natal, o vereador Franklin Capistrano (PSB) esteve no Conexão Potiguar e concedeu entrevista ao jornalista Pinto Júnior.
 Entre os pontos abordados na entrevista, Franklin faz um balanço das ações do Legislativo em 2014 e faz um prognóstico do trabalho da Câmara para o ano de 2015. Confira:
 
De que forma o senhor concilia o trabalho legislativo com o exercício médico?
Estou com quarenta anos de vida médica, dedicada à psiquiatria, e tive a alegria de “interiorizar” a psiquiatria na cidade de Natal. Antes, a psiquiatria só existia nos bairros mais centrais, como Cidade Alta e Tirol. Nesse tempo, tivemos a oportunidade de levar a psiquiatria para Jardim Progresso, Santa Cecília, Boa Esperança, Vila de Ponta Negra, Mãe Luiza, Felipe Camarão – enfim, os bairros mais distantes e carentes em termos de assistência psiquiátrica. Nesse sentido, temos feito um trabalho rotineiro e, acima de tudo, voluntário. O paciente é atendido de forma gratuita.
 
De que maneira o senhor avalia o trabalho legislativo em 2014?
Este ano nós desenvolvemos um trabalho muito grande dentro e fora da Câmara. Prova disso é que estive incluído em diversas frentes parlamentares. Entre elas, fiz parte das frentes em defesa da pessoa idosa, em defesa da vida e em defesa do animal. Também integrei as Comissões de Saúde, de Defesa do Consumidor, de Assistência Social e de Direitos Humanos.
 
Quais são suas metas para 2015, enquanto presidente?
É aproximar mais ainda a Câmara da população. Diante da visibilidade que a mídia nos dá, por meio da TV Câmara, que inclusive agora está em sinal aberto, nós já temos a oportunidade de visitar os bairros mais distantes e sermos reconhecidos e cobrados pelo trabalho desenvolvido.
 
O senhor percebe que, comparado a anos anteriores, hoje há uma mudança no interesse da população pelos seus representantes?
Sim, a sociedade está mais interessada no que estão fazendo os políticos. Isso porque ela tem mais subsídios para acompanhar o trabalho desenvolvido por quem ela votou. Quando eu fui eleito pela primeira vez, não havia nada em termos de comunicação. Não existia computador na Câmara e tudo era registrado na máquina de datilografia. A nossa visibilidade era feita por meio da resenha publicada nos jornais ou por meio de carro de som. Hoje em dia, a presença do vereador na comunidade é muito maior, por meio da TV e da internet.
 
A construção do prédio da Câmara Municipal sairá no seu mandato?
Possivelmente sim. Acon­tece que é uma questão um tanto quanto burocrática porque não é dinheiro próprio da Câmara; é um empréstimo via BNDES. Além disso, o interesse da Prefeitura está envolvido, pois há o desejo de construir o Centro Administrativo Municipal na mesma região, em conjunto com o novo prédio do Legislativo.

 

Fonte: Potiguar Notícias (Ed. 563)