Rubens Guilherme: “Queremos expandir a Santa Fé para além do RN”

13/10/2014

Por: Pinto Jr.

O empresário Rubens Guilherme, presidente e diretor da rede de farmácias Santa Fé concedeu entrevista ao jornalista José Pinto Junior no programa Conexão Potiguar, na Band Natal. Falou sobre  a empresa, estratégias de marketing e responsabilidade social. Confira:

 

Conte um pouco sobre sua trajetória para aqueles jovens que pretendem criar o seu próprio negócio.
Na realidade, minha vida profissional iniciou na indústria têxtil, na qual eu trabalhei por vários anos. Depois de uma crise no setor, fui trabalhar em Aracaju, no mesmo ramo. A ideia de administrar uma farmácia veio após uma frustração em Aracaju, por não ter conseguido levar um amigo junto. Minha família já estava bem envolvida com o negócio e eu já havia trabalhado na farmácia de um irmão. No início, ninguém acreditou muito nessa empreitada, mas eu arrisquei e, graças a Deus, está tudo dando certo. Atualmente, já existem mais de 36 lojas da Santa Fé.

Como se deu a separação da Santa Fé com a Irmã Dulce?
Quando eu e Severino Rodrigues, meu antigo sócio, percebemos que tínhamos, cada um, seis lojas, decidimos nos separar. A separação ocorreu de forma amigável, pois acreditamos que já poderíamos andar com as próprias pernas. A mudança de nome se deu devido aos trâmites burocráticos, que não permitiam a comercialização de um mesmo produto, na mesma rede de lojas, com preços diferentes. Então, quando isso aconteceu, Severino passou a tomar conta das farmácias Irmã Dulce e eu mudei para Santa Fé.

E aí entrou um trabalho de marketing e publicidade, o Sr. poderia nos contar como foi a estratégia para identificar as pessoas com a marca?
Na época, eu contratei uma agência de publicidade para ajudar na divulgação. Foi uma estratégia bastante eficiente, uma vez que relacionaram a fé ao anjinho, que até hoje é o símbolo maior das nossas lojas. No início, fizemos o primeiro concurso do anjinho, que contou com a participação de 3.000 crianças. No segundo concurso, a nossa campanha contou de 5.000 crianças. Hoje, nossa marca já está consolidada no mercado. No mercado, tudo é o “time”, se você perdê-lo, já era.

Nos fale um pouco sobre responsabilidade social.
Nós fizemos vários trabalhos visando à responsabilidade social, ajudando entidades filantrópicas, pois nós somos humanizados. Eu creio que isso deixe a empresa mais leve, mais tranquila. Nós já fizemos ótimas campanhas para a sociedade, como a do “Livro Amigo”, que arrecadou mais de 300 mil livros. Nós tivemos de colocar em um ginásio. Com esses livros, nós fundamos três bibliotecas públicas na periferia. Fizemos campanhas na época de enchente, de seca; fizemos campanha em orfanatos e demais instituições.

Quantas lojas existem atualmente? O Sr. tem algum plano de expansão?
Hoje, contamos com 36 lojas espalhadas por Natal, Parnamirim, São Paulo do Potengi, Ceará Mirim, Açu e Mossoró. No quesito expansão, precisamos avaliar várias questões para saber se aquele investimento trará retorno ou não.

Quantos trabalhadores fazem parte da rede Santa Fé?
Atualmente, 600 famílias trabalham diretamente conosco. Nós zelamos muito por essas pessoas, que sobrevivem diretamente do resultado do nosso negócio.

O Sr.  já pensou em expandir seus negócios além das linhas do Rio Grande do Norte?
Sim, existe a possibilidade de sairmos do Rio Grande do Norte. Inclusive, já cheguei a quase fechar um acordo em João Pessoa, mas não conseguimos concretizá-lo.

Fonte: Potiguar Notícias