Evandro Borges

25/09/2020
 
Eleições na Região Metropolitana
 
 
A problemática da Região Metropolitana de Natal está afeta a todas as candidaturas da Região, pela interligação dos Municípios, e alguns com áreas conurbadas, como são os casos de Natal, Parnamirim, Macaíba, São Gonçalo e Extremoz, e com problemas comuns, afetos a todos, como são os casos da violência, de mobilidade, dos modais de transporte aeroviário, do porto e ferroviário. 
 
Há questões de todo tipo, como as ambientais e da coleta e depósito de lixo, o aterro sanitário em Ceará Mirim, neste aspecto existe a espera do tratamento dos vetos presidências ao novo marco do saneamento a serem apreciados pelo Congresso Nacional, haja vista, as diversas modalidades de abastecimento d’água e esgotamento sanitário da Região Metropolitana de Natal, o peso da importância da CAERN e alguns Municípios do porte de São Gonçalo, Ceará Mirim e Extremoz com as suas autarquias.
 
Os Planos Diretores dos Municípios da Região Metropolitana que deveriam ser integrados, mas, se contenta em que estejam minimamente sintonizados, já se considera um avanço diante da persistente ausência das reuniões do Conselho Gestor e de uma legislação mais adequada, que não foi construída e não prosperou. Espera-se que os Planos interajam com a possibilidade de desenvolvimento, preservação ambiental, justiça social e assegure qualidade de vida para a população, portanto, bastante complexo.
 
Um forte Plano de Desenvolvimento sustentável para longo prazo, já previsto desde o Estatuto das Cidades e retratado no Estatuto das Metrópoles urge a necessidade da elaboração com participação, que não seja uma obra de um governo, mas o somatório dos setores públicos e privados, contemplando todos os segmentos, turismo com suas cadeias produtivas, a indústria, comércio, serviços, agricultura familiar com a necessidade da segurança alimentar será uma “obra” a ser construída.
 
O momento é crucial para se cobrar as necessidades da Região Metropolitana de Natal, pois as eleições municipais vão tratar de eleger os próximos gestores, e o resultado das eleições para avançar nos desafios da contemporaneidade, tanto nos Executivos e Legislativos locais, precisam de futuros Prefeitos e Vereadores comprometidos com a Região Metropolitana de Natal, capazes de dialogar, de conversar, de forma republicana, colocando os interesses de ordem pública e coletiva acima de seus projetos individuais e pessoais.
 
A cobrança nesta atual situação de campanha curta, com um mínimo de exposição dos candidatos em virtude da pandemia que se está controlando aos poucos, dependerá muita da capacidade de exigência dos eleitores, e principalmente em Natal que conta com quatorze candidaturas a Prefeito, se espera que se faça o debate, e que sejam apresentadas propostas a população e ao eleitorado, podendo contar com as mídias sociais, que não se fique apenas nas belas e bem produzidas fotografias.