Alfredo Neves

12/05/2020
 
JAYR PENY, O MAIOR ARTISTA SURREALISTA BRASILEIRO EM PORTUGAL
 
 
Jayr Peny nasceu em Natal-RN em 1965, filho de Francisco Peny e Maria Gercina Souza Peny. Ainda cedo foi incentivado pelos seus pais a seguir carreira no mundo das artes, iniciando as atividades artísticas em 1981. É considerado como o mais português dos artistas plásticos brasileiros. No final de 1994 foi contratado por uma galeria em Aveiro, cidade situada no norte de Portugal para realizar uma exposição e permanecer por três meses como artista residente. Tendo sido bem recebido pela crítica portuguesa em relação ao seu trabalho e com a hospitalidade especial e afetuosa, ficou em definitivo na terra de Cabral (1467 – 1520), Fernando Pessoa (1888 – 1935), José Saramago (1922 – 2010), Luis de Camões (1524 – 1580) e Eça de Queiroz (1845 – 1900), pode ser considerado um artista luso-brasileiro. Um ano antes, a convite do marchand de arte carioca Josenilson Figueiredo, foi para o Rio de Janeiro, onde segundo Jayr Peny foi uma oportunidade única, e ao mesmo tempo que abriu várias portas para a comercialização das suas artes. Atualmente reside no Concelho (com “c” mesmo) de Sintra, em Portugal, onde cada vez mais consolida a sua arte e é considerado hoje um dos artistas mais criativos da sua geração.
 
Na sua formação inclui: Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Pintura) e Escola de Artes Plásticas Atelier Central (Desenho Artístico). Em Natal, realizou uma vasta Obra, sendo reconhecido pela crítica especializada como um dos Artistas mais coerentes com a sua Arte. Jayr Peny é sócio fundador da Associação dos Artistas Plásticos Profissionais do Rio Grande do Norte e detentor da Grande Medalha de Prata da Sociedade Brasileira de Belas Artes no Rio de Janeiro, além de ser produtor, compositor musical e cantor.
Peny descreve como resultado natural da sua trajetória artística nos últimos trinta e cinco anos a sua insistente vontade de representar através da Arte os seus sentimentos e o mundo que o rodeia. As suas primeiras influências foram no início, os artistas de Natal, como Diniz Grilo (1958 – 2008), Dorian Gray Caldas (1930 – 2017), Erasmo Andrade (1949 -), Newton Navarro (1928 – 1992), dentre outros. Já na sua vida adulta, o artista cita os nacionais e universais, como Cândido Portinari (1903 – 1962), Vicente do Rêgo (1899 – 1970), Laerpe Motta (1933 -), Juarez Machado (1941 -), Reynaldo Fonseca (1925 – 2019), Salvador Dali (1904 – 1989), Pablo Picasso (1881 - 1973) e Balthus (1908 – 2001).  A arte de Jayr Peny notadamente é surrealista, e nisto não temos divergência, tanto pela estética como pela sublimidade da técnica utilizada nas suas pinturas. No entanto, mesmo sendo um pintor surrealista, há, e não devemos estranhar, a presença de traços figurativistas e um geometrismo suave e encantador em suas produções. O escritor e crítico de Arte português Fernando Moniz Lópes definiu o seu estilo como geometrismo figurativista. A respeito do Geometrismo Figurativista detalharei mais um pouco neste artigo, no entanto, aos interessados em saber mais sobre o Surrealismo, termo criado pelo crítico de arte francês Guillaume Apollinaire (1880 - 1918) e que tem como um dos principais ícones o pintor espanhol Salvador Dali, apesar de que, muitos outros se fizeram conhecer nesse movimento. Na Argentina, destaco o pintor ítalo-argentino Vito Campanella (1932 – 2014), onde tive a oportunidade, inclusive,  de ilustrar a capa do meu livro de poesias, Escritos à Insônia, em 2004. Recomendo, então, a leitura do artigo sobre o artista plástico Getúlio Moura, publicado no dia 31/03/2020 para saber mais sobre o movimento surrealista.
 
Em artigos anteriores também já escrevi sobre a arte figurativa ou Figurativismo, mas vale ressaltar mais uma vez, que diferente da arte expressionista-abstrata ou abstrata, as figuras dadas pela natureza, ou pré-existentes no mundo exterior é o que irá compor as telas figurativistas do artista. Nesse caso, a arte figurativa será representada por animais, seres-humanos, paisagens, natureza morta, maquinarias modernas ou antigas, imagens sacras, etc. E isto tem acompanhado o homem desde os tempos das cavernas, onde através das pinturas rupestres podemos vislumbrar códigos e imagens figurativas da saga daquela gente. Nas telas de Jayr Peny facilmente iremos identificar estes elementos que nos circundam. Já no Geometrismo, como o próprio nome já diz, originário da geometria e aplicado às artes, o praticante desta técnica utiliza elementos geométricos de linhas fortes, ou suaves, de cores e texturas sublimadas que enriquecem o trabalho e pode ser aplicado em qualquer dos movimentos adotados. Daí a presença de losangos, poliedros, traços, linhas retas ou curvas, triângulos, círculos, quadrados, dando plasticidade à arte gerada. Jayr Peny, no entanto, aplica tudo isto em suas telas de forma constante e rica, que as tornam repletas de cores variadas que não cansam os nossos olhos, finalizando-as, de forma exuberante e com uma beleza ímpar,  só percebido nesse mundo tão árduo que é o das artes. Conclusa a tela, em conjunto com o Figurativismo e o Geometrismo, temos figuras fantásticas, absurdas, bizarras e pueris em suas produções que as tornam dignas do movimento surrealista. 
 
Peny faz isto com muita habilidade e com uma técnica bastante apurada. Por exemplo, em suas telas: Lida, Guerreiros; Banho de Sol; Escritor; Nu e Madona, de 1993, medindo 74x53 cm, essa última com traços marcantes da presença do Geometrismo e do Figurativismo, em meio ao marcante Surrealismo abraçado pelo pintor, ele é capaz de artisticamente nos apresentar o porquê de tanta gente admirar as suas telas mundo afora.
 
Jayr Peny já realizou diversas exposições ao longo da sua carreira artística. A sua Obra está representada em Museus, coleções particulares e públicas nomeadamente no Brasil, Portugal, Alemanha, Austrália, Inglaterra, França, Itália, Córsega e nos EUA. É também membro efetivo da “Associação Artistas de França” pertencente ao Comité Europeu de Belas-Artes e Academia Cultural Internacional de Artes Plásticas”, com sede em Saint-Etienne, França, da “Sociedade Nacional de Belas Artes “com sede em Lisboa, da Cooperativa Árvore no Porto, da Federação Internacional dos Artistas Plásticos com sede em Barcelona, Espanha. Em 2001 o conselho geral da Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências “Greci – Marino”, com sede em Vinzaglio, Itália, concedeu a Jayr Peny o prestigiado título de Acadêmico Superior, e na histórica cidade de Florença em 2003, torna-se membro efetivo da mais antiga academia de Arte do mundo a “IL Marzocco”, e a associação “Galeria Centro Storico di Firenze” concede-lhe o “Premio Venezia Serenissima 2003”. Ainda em Itália, é galardoado com o prêmio “Città di Milano, Duomo Art 2004” e outras tantas premiações mundo afora.
 
Por essas descrições todas é que vale a pena conhecer e se familiarizar com a arte de Jayr Peny e divulgá-lo aos quatros cantos como um artista de renome internacional. Em sendo do Rio Grande do Norte nos abrilhanta em vários países do mundo e no Brasil.  Recomendo o acesso a página: https://www.pinterest.co.kr/jayrpeny/ para ver algumas de suas telas.
 
Fonte de Pesquisa:
Informações repassadas pelo artista Jayr Peny
Revista Kukuaya, No 02, 2013, p. 11-14