Andrea Nogueira

25/12/2019
 
Espírito Natalino e Selfies Natalinos
 
 
Se apenas no período do Natal algumas pessoas fazem doações, que seja.
 
Se alguns corações abrandam no período natalino, que seja.
 
Se pobres receberão presentes de pessoas mais afortunadas só porque chegamos ao mês de dezembro, ótimo.
 
Se pessoas famintas serão alimentadas por homens e mulheres com repentina preocupação com a fome durante o período de final do ano, que venham as doações!
 
Quem pode se incomodar com o excesso de doações e sentimentalismo próprios do mês de dezembro? Certamente não é alguém que sente fome. Certamente não é alguém que sente frio, ou que dorme na rua, ou que vive doente e sem o mínimo de dignidade.
 
De fato, algumas pessoas só manifestam amor e solidariedade no período natalino. Mas seja qual for o motivo, não importa para os beneficiados. Aliás, milhares de pessoas esperam ansiosas pelo final do ano para serem presenteadas e cuidadas como jamais foram. No mundo existem homens, mulheres e crianças não querem saber se a doação de alimentos, de roupas, de abrigo ou de amor foram motivadas por um self nas redes sociais ou por um verdadeiro espírito solidário. Esse detalhe só incomoda a quem não tem fome, sede ou frio.
 
É preciso deixar a doação multiplicar-se e não constrangê-la.
 
As redes sociais podem ser o verdadeiro “espírito natalino” do momento. Não importa. Assim, que as pessoas façam selfs, que mostrem suas doações e o quanto são “boas e generosas”. Mas que não parem de ajudar a quem precisa. Espera-se mesmo que o desejo de postar uma foto com muitas curtidas e elogios traga o “espírito natalino” para os meses de janeiro, fevereiro, março, abril e todos os outros...
 
Para os cristãos, Jesus é o ponto alto do Natal, mostrando que Deus está perto de todos e que se importa com cada um, amando incondicionalmente toda a humanidade. Para o não cristão, não há como negar o significado daquele homem histórico que foi um verdadeiro instrumento de liberdade e coragem, numa época de grande opressão. Não há como negar que aquele homem ainda é celebrado por milhares de pessoas há mais de dois mil anos. E por mais que a humanidade esteja cheia de coisas supérfluas, é no período Natalino, coincidentemente comemorativo do aniversário desse Jesus, que boas ações são multiplicadas. Assim, se alguém desejar um bode expiatório para o excesso de doações e voluntariados para pobres, que usem o próprio aniversariante, deixando livres todas as pessoas para que continuem a doar-se.
 
Obrigada Jesus!
 
Feliz Natal!