Bolsonaro muda discurso e admite corrupção no governo: “casos isolados que pipocam”

30/06/2022


Foto: Sergio Lima/Poder 360

 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) mudou de discurso nesta quarta-feira (29) e admitiu que pode haver casos de desvio de verba pública no governo federal.

 

Até então, o chefe do Executivo descartava a possibilidade de existirem episódios de corrupção no governo. Agora, complementou a frase que costuma usar e disse que podem existir atos ilícitos, mas que não há "corrupção endêmica" na sua gestão.

 

"No governo, não temos nenhuma corrupção endêmica. Tem casos isolados que pipocam e a gente busca solução para isso", afirmou em palestra a empresários em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

 

A afirmação ocorreu uma semana após o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro ser preso pela Polícia Federal.

 

Ele foi detido em uma operação que investiga uma suspeita de balcão de negócios no Ministério da Educação e na liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

 

Uma dia depois, foi libertado por um magistrado de segunda instância.

 

Senadores articulam a instalação de uma CPI para apurar as denúncias relativas ao MEC. O presidente demonstrou preocupação com eventual criação de comissão sobre o tema.

 

"CPI quase saindo aí de assunto que parece que está enterrado. Mas quando abre CPI abre mar de oportunidades para oportunistas fazerem campanha contra a gente", disse.

 

Bolsonaro vem adaptando o discurso sobre o tema desde maio. Ele costumava ser categórico sobre a inexistência de corrupção em seu governo. Diante de denúncias surgidas nos últimos meses, passou a dizer que não havia "denúncias consistentes" de desvios de verba pública.

 

Na palestra, o presidente ignorou as denúncias de assédio sexual contra o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. O chefe do Executivo discursou por mais de 25 minutos e não mencionou o assunto.

 

A revelação de um balcão de negócios no Ministério da Educação e de suspeitas em contratos e na distribuição das bilionárias verbas das emendas parlamentares enfraquecem cada vez mais o discurso eleitoral repetido por Bolsonaro e aliados de que o governo federal está há três anos sem registrar casos de corrupção.

 

Os recentes escândalos que derrubaram Milton Ribeiro da Educação se somam a suspeitas antigas, à aliança com o outrora execrado centrão e à metódica ação nesses três anos para barrar investigações e esvaziar órgãos de fiscalização e controle.

 

O combate à corrupção foi usado por Bolsonaro como plataforma política na campanha presidencial. Em novembro de 2018, após eleito, Bolsonaro afirmou que ministros alvo de acusações contundentes deveriam deixar o governo, o que não se concretizou na prática.

 

O ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), por exemplo, seguiu no governo após ter sido indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público de Minas sob acusação de envolvimento no caso das candidaturas laranjas do PSL.

 

Desde que assumiu a Presidência, Bolsonaro contesta ações de órgãos de controle para investigar seu núcleo familiar, por exemplo.