Bolsonaro sobre presidência: “Me sinto um presidiário sem tornozeleira eletrônica”

20/04/2022


Foto: br.noticias.yahoo.com

 

Em evento de lançamento da “Marcha para Jesus”, em Cuiabá (MT), o presidente Jair Bolsonaro (PL), em exposição à imprensa, fez uma avaliação sobre a sua gestão à frente do executivo federal e aproveitou a oportunidade para apontar as vantagens e desvantagens que considera inerentes ao cargo. Conforme palavras do mandatário, por vezes ele se sente como “um presidiário sem tornozeleira eletrônica”. 

 

Durante a conversa com os jornalistas, Bolsonaro justificou sua declaração, ressaltando que, apesar dos benefícios que a Presidência da República proporciona, o cargo por vezes lhe impõe uma “solidão ensurdecedora”. “Agradeço a Deus pela minha vida e pela missão de estar à frente do Executivo federal. E se essa for a vontade Dele, nós continuaremos nesse objetivo, que não é fácil. Por melhor que seja a residência onde esteja, o Palácio da Alvorada, com tudo o que se possa imaginar, o silêncio, a solidão é ensurdecedora”, confessou o ex-capitão. 

 

Ao desembarcar na capital do Mato Grosso, Bolsonaro, como de costume, saudou os apoiadores e desfilou em carro aberto pelas ruas da cidade, acompanhando uma motociata organizada por alguns adeptos. Ainda sobre seu sentimento como chefe de Estado, Bolsonaro mencionou a importância das escolhas que precisa fazer diariamente. “Nós sofremos ou nos alegramos das escolhas que cada um faz. E essas escolhas podem nos marcar, não por pouco tempo, pode nos marcar por décadas. E todo mundo deve pensar nessa grande escolha que faz periodicamente”, disse. 

 

Nos últimos dias, Bolsonaro, que tem crescido nas últimas pesquisas de intenção de voto, tem novamente subido o tom contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), devido à possível condenação do deputado Daniel Silveira (PSL-SP). Em ataque aos magistrados, o mandatário mandou um recado em relação ao caso do parlamentar, afirmando que não ficará calado diante do que classificou como um “atentado contra a liberdade”.