“Estamos sendo destruídos como nação”, afirma conselho de cidade ucraniana

03/03/2022


Foto: bbc.com

 

Por meio de comunicado oficial, o conselho municipal de Mariupol, cidade portuária situada no sudeste da Ucrânia, falou sobre as ações bélicas das tropas russas no país. De acordo com o texto, a força militar está bombardeando frequentemente a infraestrutura civil da cidade, causando problemas como desabastecimento de água, além do impedimento da chegada de suprimentos e a retirada de pessoas.

 

A fim de enfatizar a mensagem, o conselho da cidade comparou a situação atual com o cerco promovido pela Alemanha nazista à cidade de São Petersburgo, na época ainda pertencente à União Soviética, durante a Segunda Guerra Mundial, quando aproximadamente 1,5 milhão de pessoas morreram. "Eles estão rompendo o fornecimento de alimentos, nos colocando em um bloqueio, como na antiga Leningrado", ressaltou o órgão. 

 

O conselho municipal ainda mencionou uma tentativa de criar um corredor humanitário para a cidade, assim como propor a restauração da infraestrutura que foi destruída. "Mariupol continua sob fogo. As mulheres, as crianças e os idosos estão sofrendo. Estamos sendo destruídos como nação. Isto é genocídio do povo ucraniano", salientou o conselho.

 

Diante da situação, Sergei Orlov, prefeito de Mariupol, fez um apelo ao exército do país. "Estamos pedindo ajuda à ajuda militar. Nossas forças internas são muito corajosas, mas estamos cercados pelo exército russo, que tem mais pessoas em seu exército", disse.

 

Em dissonância ao discurso do conselho de Mariupol, o general russo Igor Konashenkov, através de um vídeo divulgado na última quinta-feira (24), confirmou que o cerco à Mariupol estava se intensificando, mas reiterou que as tropas russas não estavam atacando áreas civis na Ucrânia.