Cinemateca: MPF avisou ao governo federal sobre risco de incêndio em 20 de julho

30/07/2021

Por: Luan Figueredo
Foto: Reprodução

 

O Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) e representantes do setor audiovisual alertaram, em reunião realizada no último dia 20, para o risco de incêndio, devido aos filmes de nitrato, material que sofre combustão espontânea. Nove dias depois, a Cinemateca Brasileira pegou fogo.

 

Ano passado, um alagamento danificou parte do acervo e em 2016, outro incêndio ocorreu, desta vez na sede, na Vila Mariana. Com mais de um milhão de documentos cinematográficos e quase 250 mil rolos de filmes, a Cinemateca Brasileira é a instituição responsável pela preservação da produção audiovisual do país.

 

Em carta publicada há três meses, trabalhadores da Cinemateca denunciaram a má gestão da instituição. “Não há corpo técnico contratado, o acervo segue desacompanhado e não há qualquer informação sobre suas condições. Por esse motivo, lançamos um alerta acerca dos riscos que correm o acervo, os equipamentos, as bases de dados e a edificação da instituição”, afirmavam os trabalhadores.

 

Em nota, a Secretaria Especial de Cultura disse que “já solicitou apoio à Polícia Federal para investigação das causas do incêndio e só após o seu controle total pelo Corpo de Bombeiros que atua no local poderá determinar o impacto e as ações necessárias para uma eventual recuperação do acervo e, também, do espaço físico”. 

 

Hoje (30), a secretaria comandada por Mario Frias, que está em Roma para uma reunião dos ministros de Cultura dos países do G20, publicou um edital para seleção de entidade privada sem fins lucrativos para gerir as atividades da Cinemateca Brasileira pelos próximos cinco anos.