Fernando Freitas e Íris Oliveira debatem: Covid-19 e a Fome no RN

21/04/2021

Por: Jessyanne Bezerra

 

No Debate Potiguar Notícias dessa edição, o auditor fiscal, Fernando Freitas e a titular da Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), Iris Oliveira debatem sobre o tema: Covid-19 e a Fome no Rio Grande do Norte. A mediação é feita pelo jornalista Pinto Júnior.

Segundo o IBGE, 10,3 milhões de brasileiros passam fome. Com a pandemia, o aumento do desemprego e das desigualdades, o problema tem se agravado. De acordo com os dados do CadÚnico, do Governo Federal pela Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), mais de 1 milhão de potiguares vivem em situação de pobreza extrema. O estado do Rio Grande do Norte tem 3.535.165 habitantes, segundo o IBGE.

O auditor fiscal, Fernando Freitas, declarou: “Recentemente a Fundação Getúlio Vargas (FGV) fez um levantamento de que 27 milhões de brasileiros estão abaixo da linha da pobreza, estão na situação de insegurança alimentar. Desses 27 milhões, na maioria são negros, nordestinos e estão localizados nas periferias da região metropolitana de todo país”.

Para falar sobre as medidas tomadas pelo governo do estado do Rio Grande do Norte no enfretamento a fome, a secretária titular do Sethas, Íris Oliveira esclareceu: “Em termos de ações de governo, desde o início da pandemia que o governo vem, além de manter os programas da área de segurança alimentar e que já vinha realizando, importante dizer que temos no estado um programa chamado Programa do Leite que atinge 167 municípios, atendendo aproximadamente 70 mil famílias e investe na economia do estado mais de R$ 44 milhões de reais.”, e complementou: “O ano passado o governo do estado atuou, por uma determinação da governadora Fátima de imediato nos primeiros meses do ano passado, com o repasse aos municípios de R$ 3,5 milhões a título de benefícios eventuais”

A titular da Sethas, Íris Oliveira, também ressaltou a importância do programa Restaurante Popular, que já existia antes da pandemia, que tem como objetivo oferta de refeições nutricionalmente adequadas, a preços acessíveis, à população de baixa renda e em situação de insegurança alimentar e nutricional. “Na pandemia o Restaurante Popular teve que se adaptar e fornecer a alimentação para que as pessoas possam levar para casa ou local de trabalho, por meio de quentinhas”, afirmou a secretária titular.

O auditor fiscal, Fernando Freitas, então, sugeriu a seguinte proposta para auxiliar no combate a fome: “O Rio Grande do Norte tem 3 milhões de habitantes, 10% desse valor são 300 mil pessoas que talvez estejam nessa condição de subalimentados. A grande questão agora é a capacidade do estado em ampliar essa rede de restaurantes populares e quem sabe fazer um esforço, assim como outros estados, de criar um programa próprio de transferência de renda, porque apenas o bolsa família não está dando essa condição”

O Governo do RN iniciou nesta segunda-feira (19), a entrega da primeira parcela de cestas básicas dentro do “Programa RN Chega Junto no Combate à Fome”, que vai doar alimentos a famílias e pessoas em situação de vulnerabilidade agravada pela pandemia.

Para saber mais, veja o debate completo acessando o link: https://www.youtube.com/watch?v=uehD1caB_z0