"Salvar vidas ainda que poder público possa ajudar empresas" diz Robério Paulino

10/03/2021

Por: Jessyanne Bezerra

 

Em entrevista ao Jornal Potiguar Notícias 2° Edição, o Vereador de Natal, Robério Paulino (PSOL) esclareceu sobre os temas do Plano Diretor de Natal, decretos municipais, pandemia e o transporte público da capital potiguar.

Desde o último fim de semana o número de pessoas com menos de 60 anos internadas com Covid-19 superou o de idosos em leitos de UTI com a doença. Nesta terça-feira (9), o Rio Grande do Norte ultrapassou os 175 mil casos de Covid-19 desde o início da pandemia - são 175.703, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). A doença vitimou 3.777 pessoas no estado. Outros 799 óbitos estão sob investigação.

Sobre a situação da pandemia no estado potiguar, o Vereador de Natal, Robério Paulino declarou “estamos em uma situação de emergencial que a sociedade tem que entender, a população tem que entender e os empresários tem que entender, estamos chegando a 2 mil mortes em todo o Brasil e aqui no RN temos 19 a 20 mortes por dia e é uma situação complicada”

 

A suspensão da gratuidade em ônibus para idosos e meia-passagem dos estudantes

No último dia 6 de março, a Prefeitura de Nata alterou as regras para o uso da gratuidade de idosos nos ônibus. Além disso, o Executivo também restringiu a utilização do passe de estudantes no transporte coletivo urbano. A prefeitura considerou os horários de pico dos dias úteis, das 6h às 8h e das 17h às 19h. Nestes dois períodos, ficam suspensos o uso dos dois benefícios.

Segundo o decreto, a "operação do serviço de transporte público coletivo de passageiros poderá sofrer alterações a qualquer tempo, de horários, viagens, frequências e frota". A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) vai disciplinar a aplicação desta medida.

A medida tomada pela prefeitura de Natal repercutiu negativamente visto que aponta uma provável violação da Constituição Estadual e da Lei nº 10.741/2003 (Estatuto do Idoso), que asseguram a gratuidade nos transportes coletivos urbanos às pessoas idosas a partir dos 65 anos. Como também, desrespeita a Constituição Federal que prevê, em seu art. 230, o direito de pessoas maiores de 65 anos à gratuidade nos transportes públicos.

Sobre isso, o Vereador Robério Paulino esclareceu: “estamos em uma emergência e esse tipo de consideração econômica deve ser levado em conta, mas não é o prioritário, nesse momento temos que salvar vidas ainda que o poder público tenha que ajudar as empresas que vão ter que apertar o cinto da mesma forma que todo mundo está tendo que fazer”

“O transporte público é uma prioridade, na minha opinião: o transporte público não pode ficar só por conta de empresas privadas. O transporte, em quase todo o mundo e na Europa, é público e todo público. No Brasil, privatizamos tudo e ele está todo nas mãos das empresas privadas. E eu entendo essa lógica das empresas de estar preocupada com lucro, mas o lucro das empresas não pode estar acima do interesse da cidade como Natal que tem quase 1 milhão de habitantes” declarou Robério Paulino.

 

O transporte público durante a pandemia

Na última quinta-feira (4), a STTU anunciou o aumento do número de viagens realizadas por 15 linhas nos horários de pico para tentar reduzir as aglomerações de passageiros. Com o aumento de casos da doença e superlotação dos leitos no estado, passageiros passaram a temer ainda mais a contaminação nos ônibus lotados. Na sexta-feira (5), motoristas de ônibus reclamaram desta medida e pararam de rodar em dois protestos realizados nas proximidades do Viaduto do Baldo, na Zona Leste de Natal, bloqueando parte da passagem dos demais veículos.

Na pandemia, O medo de andar de metrô, trem ou ônibus é a reação padrão no mundo. No Brasil, 93% dizem ter medo usar transporte público, segundo levantamento do PoderData. “Os ônibus superlotados são um dos principais meios de contaminação e disseminação da Covid na cidade. Isso é um problema de saúde pública e mais do que uma questão de lucro” declarou Robério Paulino.

O transporte por ônibus urbano teve uma redução diária em torno de 30 milhões de passageiros e prejuízo de R$ 3,72 bilhões, de março a junho, e que pode chegar a R$ 8,79 bilhões até o fim de 2020, mesmo com retomada gradual da demanda, de acordo com projeções da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). Os dados abrangem 26 capitais, o Distrito Federal, 14 regiões metropolitanas e 295 municípios.

Sobre isso, o Vereador Robério Paulino esclareceu: “Temos que pensar em formas em que o poder público entre e taxe o carro privado para subsidiar o transporte coletivo, agora o que ocorre hoje é que as empresas só pensam no seu próprio interesse e tem prejudicado a cidade”

Mas o coronavírus não é o único culpado, ele só agravou a crise no setor, que vem perdendo passageiros ano após ano, por causa da falta de políticas públicas. Entre 2013 e 2017, a queda foi de 25% e, entre 2018 e 2019, 12,5 milhões de pessoas deixaram de usar o ônibus.

“O que acontece hoje em Natal é o seguinte: a frota de ônibus da capital é uma frota velha, são ônibus reformados e de piso alto. O que queremos é ônibus novos, de piso baixo e com ar-condicionado. Isso vai fazer com que boa parte da população, que fugiu do transporte público por causa dessa precariedade, volte a usar, mesmo a classe média, se tiver esse conforto, pode voltar e teremos um aumento no número de passageiros que financie e remunere as empresas”

Com demanda menor que a oferta, muitas empresas de ônibus fecharam, outras estão correndo risco de encerrar suas atividades. “A solução é renovação da frota e não aumentar a passagem, à medida que os passageiros diminuem vai aumentando a passagem e afugenta mais ainda os passageiros com a passagem cara e ônibus velho” indicou o Vereador de Natal que possui propostas para modernizar o transporte público da Capital.

De acordo com o painel da Confederação Nacional do Transporte (CNT), no primeiro semestre de 2020, o setor de transporte acumulou perda de 56.584 vagas de emprego. Nesse período, o segmento com pior desempenho foi o rodoviário urbano de passageiros, com a demissão de 27.697 trabalhadores.

Para saber mais, veja a entrevista na íntegra: https://youtu.be/uf-d5knjawM