Derrota!

18/04/2020

Por: GEORGE LALL
 
!
Essa foi minha impressão ao ver as imagens de um abatido Presidente da República anunciar a substituição do seu ministro da saúde. Abatido, taciturno e claudicante são adjetivos que podem retratar a mensagem de Jair Bolsonaro ao anunciar Nelson Teich como novo ministro da saúde, substituição feita em meio ao crescimento de mortes do Covid-19 no Brasil.
 
O presidente também mentiu. Sim. Mentiu. Melhor, se enganou em vários aspectos do seu discurso que ao ser assumido o primeiro adjetivo, teve a necessidade de fazê-lo para sua claque virtual de fanáticos que não tem interesse em pesquisar números. Eu já vi essa relação de presidente enganado com números em épocas passadas...
 
Bolsonaro afirmou que antes do Covid-19 a economia brasileira estava voando. Mentira! Perdão... se enganou.
 
Assumindo o último mês de 2019, o Brasil teve balança comercial, para ficar nesse item, de US$ 2,25 bilhões. Considerando o acumulado do ano, de US$ 46,6 bilhões, foi o pior resultado dos últimos 4 anos, colocando na conta os governos de Dilma e Temer. Se avançarmos a análise para 2020, em janeiro, a balança comercial apontou para um déficit de US$ 1,715 bilhões, novamente, o pior resultado em 5 anos. Em fevereiro de 2020, a balança mostrou um superávit de US$ 3,096 bilhões. Se compararmos os meses de janeiro e fevereiro de 2020 com o mesmo período de 2019, o resultado descortina uma queda de 69,8%.
 
Se isso é economia voando, para quem gosta de acrobacias aéreas, o nome da manobra seria o vrille (spin), que é quando o avião tem uma queda vertical e no final, estabiliza na horizontal, bem abaixo da altitude inicial. O que não sei é se o “nosso” piloto conseguirá estabilizar o avião ou será ejetado pela máquina (ou mecanismo, rsrs) antes até, da tentativa de retomada de controle.
 
Bolsonaro, com método, tentou desviar o foco da mídia ao atacar o congresso, especificamente Rodrigo Maia. Hoje, 17/04, os boots estão a todo vapor nas redes sociais compartilhando memes e ataques ao congresso nacional. Essa é a mesma estratégia utilizada por Donald Trump, nos EUA, ao tentar desviar o foco de suas ações tardias de enfrentamento ao novo coronavirus que resultarão em milhares de mortes em solo americano, ao anunciar corte de verbas para a OMS.
 
O nosso presidente também afirmou no anúncio do novo ministro da saúde, Nelson Teich, que o demitido Mandetta tinha como principal ponto a defesa da vida apenas. Que erro do ministro. Defender a vida!? Embora tenha se contido no anúncio do divórcio (elegantemente, embora com aparência de marido traído), ao sair, nas portas do Palácio da Alvorada, o velho mito retornou ao corpo, fazendo com que chamasse de covarde quem fica dentro de casa, exortando a população a ir às ruas.
 
Jair sabe que boa parte de nossa população depende do dia a dia para comer. E sabe também que a demorada ajuda aos brasileiros mais frágeis, não conseguirá suportar a inquietude e a ignorância da população que, sem líder, seguirá como gado em seringa para o abate.
 
As próximas semanas trarão as respostas a um país que menos testa no mundo. Enquanto isso, falaremos, provavelmente, sobre Rodrigo Maia (e seus supostos crimes), Annita (a cloroquina parece que matou algumas pessoas em Manaus e está fora de pauta), relaxamento do isolamento e claro, as “novas” medidas do novo ministro.
 
Até lá, então.
 
Espero...