Papo rápido com o secretário Geral do Sindipetro, Pedro Lucio Góes

06/02/2017

Por: José Pinto Júnior
Foto: Tiago Rebolo

Como o sr. vê a presença da Petrobras no Rio Grande do Norte?
Fundamental.  Mas infelizmente o atual governo aposta justamente na ausência de Petrobras no Estado.

O sr. se refere a venda dos campos maduros?
Sim. Estão colocando a venda os campos maduros quando a Petrobras tem ainda grande papel na exploração do petróleo no Rio Grande do Norte. Para se ter uma ideia, a Petrobras já extraiu de nossos poços em terra pelo menos um bilhão de barris.

Em termos de PIB do RN, quais os números gerados pela Petrobras?
Está empresa e responsável por 47% do PIB do Estado. Quando o Estado não tem dinheiro para pegar ao professor, tem relação direta com o enfraquecimento de Petrobras no Estado.

Como tem reagido a Bancada Federal potiguar sobre este tema?
Apenas a senadora Fátima Bezerra tem se preocupado com a presença da Petrobras no Rio Grande do Norte.

O deputado Beto Rosado tem se posicionado, não?
Sim. Mas com a ideia de privatizar. De tirar tirar o peso de Petrobras do Estado. Está na contramão do que é positivo para o Estado.