Ney Lopes Jr.: "O primeiro problema do Procon se refere aos recursos humanos"

17/11/2014

Por: Tiago Rebolo e José Pinto Junior
Em entrevista no Alpendre do PN, o presidente do PROCON/RN, Ney Lopes Júnior, falou sobre os principais problemas enfrentados pelo órgão no Estado. “O primeiro problema está relacionado aos recursos humanos”, diz. Para o advogado, o número de funcionários é insuficiente para realizar as funções pelas quais o PROCON é responsável.
 
Além da falta de contingente operacional, o órgão sofre com a péssima estrutura física, que está comprometida por vários problemas em suas instalações. “O prédio tem mais de 200 anos, as paredes dão choque, não há acessibilidade para idosos e deficientes físicos”, afirma. Mesmo com realocação dos funcionários para as outras sub-sedes do PROCON, devido à interdição do prédio, o consumidor não foi prejudicado, uma vez que metade dos nossos funcionários foram para a sub-sede do Via Direta e a outra metade para a sub-sede do Shopping Estação, na Zona Norte, onde só existia um servidor.
 
Ney afirma que, embora a interdição tenha sido ruim administrativamente, as audiências dos consumidores da Zona Norte, por exemplo, podem ser realizadas na região; “antes, quem morava na região norte e queria marcar uma audiência, tinha de atravessar a cidade para conseguir”, diz.
 
Perguntado sobre as cartilhas criadas durante sua gestão, o advogado afirma que elas vêm cumprindo com o seu objetivo.  “A cartilha do consumidor adulto foi criada para auxiliar a população adulta a compreender o Código do Consumidor brasileiro”, salienta. Além disso, há uma versão infantil para o Código, que introduz as leis à criança de uma forma lúdica e educativa, a fim de que ela vá se adaptando e possa, lá na frente, reivindicar os seus direitos.
 
Para Ney, o serviço público não é eficiente porque o Estado não dá maiores condições aos seus funcionários para que eles possam trabalhar com ânimo e com entusiasmo. Segundo ele, muita gente trabalha fora de sua função de origem e isso prejudica bastante o funcionarismo público do Estado do RN.

Fonte: Potiguar Notícias