“Robinson não recebeu um cheque em branco assinado”, diz Robério

07/11/2014


Terceiro colocado na disputa para o Governo do Estado, o economista Robério Paulino (PSOL) agradeceu os quase 130 mil votos que recebeu no primeiro turno das eleições e creditou ao “voto consciente dos eleitores” o bom desempenho que teve nas urnas. “Andamos o Estado inteiro e não demos um real a ninguém. Nossa votação é sinal de que a mensagem chegou às pessoas”. A declaração foi dada durante entrevista ao jornalista José Pinto Júnior, no programa Conexão Potiguar, na Band.
 
O professor ainda reiterou as críticas que fez durante a campanha aos institutos de pesquisa. “Teve dono de instituto que foi à televisão e disse que a eleição seria resolvida no primeiro turno a favor de Henrique e que não existia uma terceira via que fosse crescer até o dia da votação a ponto de provocar um segundo turno. Eu pergunto: e agora?”, provoca o socialista. O candidato do PSOL teve 8,74% dos votos válidos e forçou a disputa direta entre Henrique Alves (PMDB) e Robinson Faria (PSD). O resultado foi vitória de Robinson com uma diferença de mais de 140 mil votos de diferença.
 
Em relação ao resultado final da disputa estadual, o professor acredita que três “sintomas” explicam a derrota do peemedebista. “Primeiro foi a derrota de Wilma e a vitória de Fátima. Em segundo, Henrique representa toda a velha forma de fazer política no estado, o clientelismo, o assistencialismo, o loteamento da máquina pública – a população não aceita isso. E em terceiro, a nossa votação, que mostra que há espaço para uma nova forma de pensar política no estado”, argumenta Robério.
 
O professor universitário enfatiza que Robinson Faria, no entanto, “não recebeu um cheque em branco assinado”. Diz o socialista: “Nós vamos cobrar, pois a população não aguenta mais promessas não cumpridas.O terceiro turno está aí, nas ruas. Queremos medidas imediatas”.
 
Ao ser questionado sobre a possibilidade de compor os quadros do governo de Robinson Faria, se tornando secretário, Robério rechaça a hipótese.
 
“Isso é boato. Não houve nenhuma iniciativa do governador eleito neste sentido e, mesmo que houvesse, eu não aceitaria, pois o PSOL não pactua com esta aliança”, declara o ex-candidato. O economista sugere que o próximo governo estadual firme uma colaboração institucional com a UFRN. “A Universidade tem vários projetos para a educação e para a questão hídrica, que poderiam receber apoio do Poder Público”, exemplifica.
 
ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS
O professor também comentou sobre a disputa presidencial, que culminou com a reeleição de Dilma Rousseff (PT). Na opinião de Robério, sua companheira de partido, Luciana Genro (PSOL), fez uma “campanha correta”, apesar de ter assumido a candidatura, que antes era de Randolfe Rodrigues, no meio do primeiro turno. “Ela tocou em pontos que os três principais candidatos não tocaram, como a reforma agrária e o combate ao machismo; ela cumpriu um papel educativo, eu diria”.
 
ELEIÇÕES DE 2016
Após ter conquistado 70 mil votos só na capital, o que representou 22,45% das preferências, Robério Paulino passou a ser um dos nomes cotados para a disputa municipal de 2016. “As pessoas querem caras novas. Esta eleição de 2014 foi uma prova disso”, justifica o professor. Ao ser questionado se já é candidato a prefeito, Robério pediu cautela e afirmou que essa é uma decisão a ser tomada coletivamente pelo partido – e que as decisões serão tomadas na hora oportuna. O professor declarou que, se seu nome for escolhido, analisará “com carinho”.

Fonte: Potiguar Notícias