Eva Potiguara

21/05/2024 00h35

MEU HERÓI POTIGUARA

Quando ouve-se falar de herói, vêm logo à mente imagens de semideuses, guerreiros e gladiadores enfrentando uma série de batalhas, superando seus limites frente aos perigos e desafios.

Não irei tratar de um herói fictício, nem mesmo oriundo das mitologias e contos clássicos, ou tradicionais. Irei falar de um homem forte, por sua sabedoria e generosidade, e poderoso de esperança e da alegria de servir e viver.

Vou falar do homem que marcou a minha vida, e creio que de centenas de outras vidas com as quais ele teve contato e oportunidade de conviver nos diversos segmentos da vida social e profissional. O homem que iniciou a sua carreira profissional fazendo retratos pintados, andando horas e léguas de porta em porta. Aquele que, para ganhar um emprego numa lanchonete, aceitou o desafio do dono de fazer um suco de pitombas. O andarilho de bicicletas, depois o motoqueiro que levava até três filhos montados na garupa com ele, o vigilante de empresa privada que se tornou diácono batista por mais de 46 anos sem jamais reclamar ou pedir algo em troca por acolher o próximo. O servo dos quatro “F”, como ele declarava aonde chegava: forte, firme, feliz e fiel.

Falarei do meu pai: Eduardo Pinheiro, que ontem completou 83 voltas em torno do sol. Ele, que soube como ninguém educar sem precisar falar. Apenas com as suas atitudes mostrava o que parecia ser simples, mas que pouca gente preferia pôr em prática. Atitude como ser sincero, pagando o preço de perder vantagens materiais, era comum de sua parte. Uma postura que sempre foi considerada idiota pela maioria das pessoas que convivia com ele.

Meu pai Edu é a minha poesia mais viva dos meus dias nesta terra. Suas mãos criativas e incansáveis para resolver problemas, seu sorriso fácil de menino feliz, seu olhar iluminado sempre atento para acolher ou orientar, são memórias inefáveis que ainda florescem os meus dias mais tenebrosos. 

Antes que pensem que tudo isso é mera bajulação de uma filha coruja, vou contar algumas aventuras reais deste heroi dos meus dias de sol e chuva. Começo pela imagem do pintor dos meus “tênis azuis”, quando eu tinha seis anos. Eu havia sido barrada de entrar na escola porque meus congas eram velhos e desbotados. Quando ele me viu chegar triste porque não pude assistir à aula com os meus colegas, olhou para mim em silêncio, passou a mão na minha cabeça e saiu em direção à rua e logo voltou trazendo duas canetas Bic da cor azul. Descobri depois que ele comprou fiado, pois na época estava desempregado.

Muito animado, pegou os meus calçados desbotados e começou a pintar usando sua habilidade de transformar o nosso ambiente de tristeza em alegria. Eu o observava e me contagiava com o seu bom humor, com as suas mãos ágeis e firmes pintando meus tênis como um mágico amigo e protetor. Essa experiência foi tão sublime que eu me senti a mais feliz das crianças ao entrar na escola no dia seguinte com os meus tênis azuis. Nem me importava com os olhares de deboche, ou com as ironias dos colegas da sala. Ninguém podia apagar a luz que eu sentia dentro de mim. Eu tinha um herói que me educou primeiro que a escola e me fez compreender que a maior riqueza não é o que temos, mas o que somos. 

O segundo episódio do meu herói foi quatro anos depois, quando eu tinha dez anos. Nossa família estava maior. Eu tinha oito irmãos e a gente brincava muito no quintal, que tinha um muro baixo que nos permitia ver a casa do vizinho. Ele era dono de uma goiabeira generosa que parecia nos convidar sem cerimônias. 

Depois de um dia de muita chuva, o muro caiu e não havia mais separação física de nossa vontade de pegar as goiabas da casa vizinha. E foi difícil resistir. Eu e mais três dos meus irmãos fizemos a festa catando as goiabas e enchendo as barras das camisetas e os bolsos dos calções. 

Nossa farra durou pouco. Fomos pegos e corremos para casa. Meu pai ouviu os gritos do vizinho e as palavras de ofensa que ele esbravejava contra a nossa família e pediu que nenhum de nós pegasse nada que não nos pertencia, e muito menos sem permissão. Eu e os meus irmãos prometemos seguir a  orientação dele. 

Depois de meses de goiabas apodrecidas no chão, meu pai nos chamou novamente para conversar. Ele disse que na madrugada ouviu um barulho e quando foi no quintal surpreendeu o nosso vizinho roubando água, porque cortaram o seu abastecimento, por inadimplência. 

Eu e os meus irmãos rimos da situação, mas foi aí que nosso pai nos repreendeu, afirmando que não podemos abandonar quem precisa de nossa ajuda. Ficamos ainda mais surpresos quando ele disse que só voltou a dormir depois que ajudou o vizinho a armazenar na casa dele a água suficiente que ele precisava. 

Foram atitudes incomuns deste homem tão simples que me educaram a enxergar o outro além das circunstâncias. Aquele vizinho que eu temia e de quem tinha raiva, eu aprendi a acolher, por sua fragilidade. Ele soube rever o seu egoísmo, quando recebeu afeto, ao invés de represálias, e se tornou parte da família.

Quando lancei o meu primeiro livro solo, em 2017, meu pai estava lá na fila para autografar o seu exemplar. Depois disso, a obra andava na sua bolsa tiracolo para todo lugar. Ele orgulhosamente mostrava a todos por onde andava que tinha uma filha escritora. Eu sou a única mulher da nossa família a publicar um livro.

Em  2018, na ceia de Natal, falei perante a família que estava pesquisando há muitos anos a  ancestralidade indígena Potiguara dos avós da linhagem materna e paterna. Ele ficou muito feliz e afirmou que sabia que o seu pai e avô eram indígenas. Destacou que se sentia feliz de ver que eu estava contando a história de nossa família e agradeceu. 

No período da pandemia, em 2021, eu fui na casa dele ajudar numa reforma geral e encontrei a bolsa que ele usou por muitos anos, e nela estava o meu primeiro livro manchado com o tempo e as muitas chuvas que levou. Ele não enxergava mais, devido aos problemas de catarata nos dois olhos que não foram operados, em razão das dificuldades inerentes ao Sistema Único de Saúde (SUS). Mas o seu bom humor nada conseguiu consumi-lo. Sempre se mostrou feliz e agradecido por tudo e isso me fazia ter mais razões para viver do que reclamar da vida.

São muitos episódios em que o Edu marcou minha estrada até aqui. Não seria possível contar com detalhes as lições que este mestre da resiliência deu na prática de sua existência. Hoje ele jaz numa cama, dependendo de cuidados assistenciais, após ter sofrido um AVC um ano atrás. Mesmo sem poder falar e nem andar, sua presença ainda nos diz o quanto ele é forte e vencedor. Seu olhar fixo e emocionado, quando ouve suas canções preferidas, me remete às memórias de um passado desenhado e pintado de amor e dedicação.

Não importa que ele hoje não possa ler este texto, nem ao menos comer uma fatia do seu bolo de aniversário. Ele sempre será o guerreiro protagonista em meio às intempéries sociais. Aquele que saiu da zona rural para se tornar uma sementeira de luz no contexto urbano e criou a sua própria família com o pão de cada dia de esperança e coragem. 

Perante sua história de lutas e vitórias, afirmo que ninguém precisa se inspirar em heróis de ficção alguma, quando tem a dádiva de ter um xe irû morombo'esára katueté. Isto é, quando teve (ou tem) um "excelente professor e companheiro". Meu pai, que o mundo saiba que tu és e sempre serás a minha melhor poesia de viver e a minha maior razão para seguir com dignidade, lutando e defendo, por justiça, o nosso povo Potiguara. 

Aûîébeté Xe irû!

“Muito obrigada, companheiro!”

Sua filha, semente de luta, Eva Potiguara
 

Sobre a autora:
 
Eva Potiguara pertence ao Povo Potiguara Sagi Jacu, em Baía Formosa/RN. Graduada em Artes visuais, Mestrado e Doutorado em Educação pela UFRN, é Professora e pesquisadora do IFESP-SEEC, atuando nos cursos de Pedagogia e Letras. É produtora cultural da EP Produções, escritora, ilustradora, contadora de histórias, articuladora nacional do Mulherio das Letras Indígenas, membro da UBE/RN, da SPVA e de várias academias de Letras no Brasil e em Portugal. Tem livros solos infantis e de poesia, publicados no Brasil e em Portugal. Ganhadora do Prêmio Jabuti 2023 na categoria Fomento à Leitura e do Prêmio Literatura de Mulheres Maria Carolina de Jesus 2023, na categoria Romance.
 

*ESTE CONTEÚDO É INDEPENDENTE E A RESPONSABILIDADE É DO SEU AUTOR (A).