Renisse Ordine

05/11/2020
 
El Alma Al Aire: Vinte anos em suspiros por essa Alma Livre 
 
Alejandro Sanz é uma pessoa extremamente talentosa, que dizia a sua mãe “ Eu sou este”, quando ela tentava convencê-lo de que “na música, entre um milhão de pessoas, só uma consegue triunfar”. E se deu muito bem!
 
Ele nasceu predestinado a ser um dos maiores nomes na história da música, não somente espanhola, mas do mundo. O seu legado vem sendo cumprindo com maestria. Tanto que para as suas músicas não há uma tendência, um momento certo para acontecer. Elas são atemporais, para qualquer hora e ocasião. 
 
Somente ele é capaz de impedir a ansiedade do tempo, para que um verso como: “Quem vai querer pensar na alma”, nos faça parar o que seja. 
 
E por falar em tempo, nada mais emblemático, dentre todas as produções de Alejandro, do que seu quinto álbum, El Alma Al Aire, para nos manter  congelados em outra dimensão por quase sessenta minutos, com a alma livre. 
Nem dá para acreditar que essa joia rara da música, completa os seus 20 anos de existência. São dez músicas que, não temos nem palavras para nos referir a elas, pois elas estão além de uma definição. E, músicas assim “tem que ser pecado, tem que ser um crime”. Elas têm o poder de deixar qualquer coração insano.
 
 Todas as criteriosas escolhas e a excelência da organização que Alejandro e o Emanuele Ruffinengo tiveram durante os cinco meses de preparação fizeram com esse álbum se tornasse esse fenômeno de vendas, resultando em uma expressiva marca de premiações. 
 
Os três singles do álbum: El alma Al aire, Cuando Nadie me ve e Quisiera ser foram para a lista da Billboard, entre 2000 e 2001. E, logo que foi lançado, o álbum em primeiro lugar, por sete semanas consecutivas, na lista da Billboard Top Heatssekers (South Atlantic), o que seria no português, o álbum do momento. Além dos singles ficaram respectivamente na primeira posição da lista do “Los 40 principales”, na Espanha. 
 
Pode parecer redundante dizer que o álbum teve um sucesso estrondoso, mas em se tratando de Alejandro, não é. Em vendas, formam mais de 1.300.000 vendidos na Espanha, 400.000 nos EUA, 300.000 na Argentina e no México ele recebeu cinco discos de ouro, pelos seus 375.000 discos vendidos. Mil vezes sucesso!
 
E, igualmente seus videoclipes foram e continuam fazendo sucesso, e ficaram marcados na história da música. Sobre, Cuando Nadie me ve, não precisa nem comentários, não é? Em El Alma Al Aire, o olhar sensual de Alejandro no piano é o melhor de uma vida inteira e em Quisiera ser,  quem nunca quis ser, por exemplo, a camisa branca que ele usa no vídeo?
 
 Em 2001, um ano após o lançamento do Cd, mais maravilhas foram chegando, como o “El Alma AL Aire: Edición Especial”, com dois Cds. Sendo, o primeiro, o original de 2000 e um segundo, uma edição extra, com cinco novas canções, desta vez, com parcerias especiais como a banda irlandesa, “The Corrs”. Com elas, Alejandro gravou “Me iré” na versão em espanhol e The hardest day, a mesma música só que em inglês e, “Una noche”. Outra música foi “Adoro”, com o mexicano, Armando Manzanero, divina!. 
 
Já em 2006, como Alejandro tem o costume de presentear os seus faMs com um registro de seu show, ele lança o CD/DVD. Na versão em DVD, gravado em 28 de junho de 2001, Alejandro gravou um mega show no Estádio Vicente Calderón, em Madrid, na Espanha, com um estádio lotado de faMs que o acompanharam nas canções que marcaram a história das nossas vidas. 
 
Enfim, nesses vinte anos deste álbum, muitas histórias ficaram registradas, e muitos destes momentos fazem parte de nós, deixando uma marca de liberdade, de deixar a alma livre para sentir as emoções da vida. Alejandro é assim, é a pessoa que veio ao mundo para fazer com as pessoas se sintam livres e donas de seus sentimentos. Ele é grandioso e foi além do tempo em El alma Al aire.