Wellington Duarte

11/06/2020
 
O RN como uma grande fazenda
 
 
Quando criticamos o deputado Fábio Faria, considerado medíocre por vários analistas políticos, deveriamos olhar para o espelho e ver nossos representantes através de nós mesmos.
 
À exceção da progressista Natália Bonavides e, às vezes, Rafael Motta, o restante dos deputados federais formam um agregado de representantes do que somos: uma sociedade que mantém sua elite no poder com toda graça e opulência.
 
A substituta de Fabio Faria, eleito por ser um "rapagão de sorriso bonito e sedutor" e que puxou o saco de todos os governos anteriores, fará ascender a senhora Carla Dickson que nunca teve NENHUMA RELEVÂNCIA POLÍTICA, mas que lançando-se como "Carla Dickson Ofalmologista", ESPOSA de "Albert Dickson Oftalmologista", recebeu nada menos que 60.590, pelo PROS, ficando na suplência. O detalhe é que a sra. Carla, "A Oftalmologista" fora eleita, com a indubitável ajuda do "conju" em 2016, com 7.294 votos e dois anos depois, o milagre da multiplicação dos votos quase decuplicou seus votos. Aleluia irmão!
 
Seu marido, "O Oftalmologista", que já defendeu obtusamente a hidroxicloroquina, elegeu-se deputado estadual com 31.698 votos, não por suas propostas, mas pelo seu "trabalho comunitário" (sic) e pelo apoio dos evangélicos, sua base eleitoral. Agora a família se junta em diferentes parlamentos.
 
Como a nova deputada federal é vereadora, sua ascensão à Câmara de Deputados, sua vaga será ocupada por outro "rebento da política", o senhor César "De Adão Eridan", sim esse é o "nome político" do senhor César que foi candidato a vereador em 2016 e recebeu 2.768 votos. Seu pai, Adão Eridan, que tem até uma "Fundação Eridan" e condenado por "improbidade administrativa" por ter utilizado a Fundação Maria Neuzelides de Alencar Andrade, para promover suas atividades políticas e, como não pode concorrer em 2016, empurrou seu filho, e agora ele recebe esse presente.
 
O fato é que os potiguares, em termos eleitorais, tem um gosto duvidoso pelos agentes públicos, elegendo políticos de baixa qualidade moral, sabidamente surrpiadores do erário público, puxas sacos de oligarcas, mentirosos e toda sorte de gente baixa.
 
Em parte esse calvário é empurrado aos potiguares a partir de um complexo sistema de dominação que mantém o RN como uma grande fazenda.