Wellington Duarte

08/05/2020
 
COVID-19 : A MARCHA DO MANDRIÃO RUMO AO STF E A VERGONHA DE FECHAR OS OLHOS PARA OS MORTOS QUE SE AVOLUMAM
 
 
Mandrião é que ou aquele que mandria, que se mostra preguiçoso para trabalhar ou estudar; preguiçoso, indolente, mandrana. Já vagabundo que ou quem leva vida errante, perambula, vagueia, vagabundeia. Que ou quem leva a vida no ócio; indolente, vadio.
 
E se alguém te telefonasse dissesse que iria à tua casa e você, por respeito, te receberia, mas ao abrir a porta essa pessoa trouxe os amigos e ainda filmasse a visita? Que você diria dessa pessoa? No mínimo chamaria de mau caráter, aquela pessoa traiçoeira e em quem você não deve confiar.
 
Em meio ao lamento da sociedade pelas 9.146 mortes decorrentes da pandemia, a situação sanitária se agrava a olhos vistos, com os estados às voltas com o fracasso do isolamento social, muito em função da confusão causada pelo ser abjeto que hoje tornou-se uma caricatura de chefe de Estado, só apoiado pela cáfila estimulada pelos pastores e padres marginais; pelos apresentadores de televisão desbocados e truculentos; e por uma choldra militarista, devota da Ditadura.
 
O mandrião não passa um dia sem fazer uma estroinice, digna de um bufão, sem ter vergonha de demonstrar toda sua incapacidade de conduzir a nação nesse momento desafortunado. É um show de aberrações, com gritos, deselegância, faniquitos, mentiras e atos desairosos, que nunca foi visto na história da república, desde a sua proclamação, em 1889. É uma vergonha histórica.
 
Hoje o indolente, que acordara disposto a fazer nova molecagem, recebeu empresários, de várias associações, representantes da indústria de grande porte, QUE NÃO PAROU, e se reúnem com o mandrião, ladeado pelo Guedes, um imbecil que comanda uma equipe econômica que, por birra ou incompetência, ou pelas duas coisas, sabota a economia nacional, fingindo que ajuda o pequeno empresário, mas não ajuda, e impondo humilhações diárias às populações mais pobres, e não tão pobres, nas filas genocidas para resgatar, quase a força, R$ 600. Lembrando que a proposta inicial do governo era de R$ 200.
 
E qual era a pauta? Os industriais foram choramingar com o vadio, porque estão “enfrentando dificuldades” e este, um incompetente cavernoso, não titubeou e armou um novo espetáculo de mau caratismo.
 
Ele e esse pequeno bando foram até a sede da Supremo Tribunal Federal (STF) e, de surpresa, e emparedaram o presidente, Dias Toffoli, o empoado que ajustou-se ao “lavajatismo” em troca de ascensão na mídia, e o PRESIDENTE DA REPÚBLICA passou ao Toffoli, PRESIDENTE DO STF, as reclamações dos empresários, alguns deles embasbacados pela situação, e esse devolveu a bola dizendo, em poucas palavras, que a responsabilidade da ação era do brandalhão, que ficou com a cara mexendo e torcendo a boca, como se fora vítima de um espasmo nervoso.
 
Ele, o mandrião, e o incompetente crônico, Guedes, saíram do STF com cara de idiotas, mas com o sentimento de dever cumprido, pois era mais um dia de “produtividade”, afinal, sem se importar com a situação dos milhares que agonizam e que muitos deles irão perecer, esse calaceiro cumprira mais um dia não-trabalho, enquanto a nação padece.