Reunião na Câmara Municipal de Natal discute cobrança de tarifa do circular da UFRN

14/12/2021


Foto: Sara Cardoso/Inter TV Cabugi

 

Em reunião na Câmara Municipal de Natal, nesta segunda-feira (13), parlamentares, representantes da STTU e Seturn, e entidades estudantis discutiram a cobrança da tarifa no ônibus circular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
 
A reunião contou com a participação da Comissão de Transportes da Casa, estudantes do Diretório Central dos Estudantes da UFRN, da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos (Seturn), além de outros parlamentares.
 
A discussão girou em torno da cobrança da passagem de R$ 3,20 no Circular da UFRN. Antes dessa medida ser tomada pela STTU, o serviço era gratuito e um direito conquistado pelo Movimento Estudantil há mais de duas décadas. A secretaria ainda comunicou que deve retomar a gratuidade em 2022 com a retomada 100% presencial dos estudantes.
 
Os representares do DCE e estudantes da UFRN reivindicam que a gratuidade no transporte voltasse de forma imediata, alegando que isso tem dificultado a vida dos jovens estudantes. "Transporte público não é mercadoria", ressaltaram os universitários.
 
Eles também citaram o período da pandemia, em que a situação econômica principalmente dos estudantes de famílias pobres piorou consideravelmente. E justamente neste momento é cobrado valor na passagem.
 
"As empresas de transporte público estavam com prejuízo e alguém tinha que pagar a conta. Mas esse alguém pro Seturn, pros donos das empresa, e pra própria STTU, é jogar a culpa nos estudantes pobres e nos trabalhadores pobres", pontuou o coordenador do DCE, Lorran Silva.
 
De acordo com os representantes do Seturn, neste momento de crise, as contas para as empresas concessionárias do transporte público "não estão fechando". 
 
O vereador Pedro Gorki (PCdoB) disse que a cobrança no transporte é um limitante à liberdade e também ao acesso à educação desses estudantes.
 
A vereadora Brisa Bracchi (PT) disse que é necessário avançar em propostas de curto prazo para suprir as necessidades mais urgentes dos estudantes e depois evoluir nas de médio prazo, como a proposição de uma nova licitação do transporte público.