Polícia e imprensa erram ao associarem homicídios em DF a práticas religiosas

17/06/2021

Por: Luan Figueredo
Foto: Daniel Gullino

 

Suspeito de matar pelo menos cinco pessoas, Lázaro Barbosa de Sousa continua foragido. A Polícia Civil de Goiás divulgou uma série de fotos mostrando objetos que, segundo os policiais, estariam associados "à bruxaria". Imprensa comete racismo religioso ao atrelar o crime de homicídio à supostas práticas religiosas. 

 

Policiais fizeram cerco a suspeito em Cocalzinho de Goiás, nesta tarde de quinta-feira (17). A suspeita era de que Lázaro estava em uma mata, na zona rural do município goiano. Novamente, o assassino conseguiu fugir, porém, de acordo com Rodney Miranda, Secretário de Segurança Pública de Goiás, Lázaro sofreu um ferimento grave após troca de tiros. "Cão farejador achou pano ensanguentado, pode ser até um ferimento grave. Ele tentou acertar um dos cachorros, policiais visualizaram e revidaram. Ele entrou em uma vala e depois, provavelmente, na água, e os policiais perderam o rastro dele", relatou Miranda. 

 

Nas redes sociais, os internautas manifestaram repúdio aos veículos que insistem em associar símbolos religiosos encontrados na casa de Lázaro a assassinatos por ele praticado. O G1 chegou a manifestar pedido de desculpas por matéria preconceituosa. Em nota, a equipe de redação do portal afirmou que apagou posts, retirou destaques e atualizou a reportagem.