Evandro Borges

20/08/2021
 
Alfabetização e Letramento
 
Participei na condição de formador em São Tomé/RN, organizada pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto que conta com a capacidade da Secretária Municipal a Sra. Ana Edileuza Dantas e sua equipe do II Ciclo de preparação dos animadores do Programa Aprender Mais, realizada nas boas instalações da Câmara Municipal, com o tema focado em alfabetização e letramento, educação popular e educação formal e ainda Educação de Jovens e Adultos.
 
O programa “Aprender Mais” é audacioso vai além da alfabetização e letramento, mas segue em uma perspectiva de inclusão social e cidadania, voltado para o mundo do trabalho e para o mercado, dando continuidade aos alfabetizandos a possibilidade da modalidade de ensino da Educação de Jovens e Adultos, sem haver retrocesso na alfabetização.
 
Os números nacionais dos analfabetos atingem 15% (quinze por cento) da população ativa economicamente, significando que estamos com mais de trinta milhões de brasileiros nestas condições de exclusão social, e em razão da sociedade gráfica, que a escrita e leitura é fundamental, uma parte da população não consegue, sequer, decodificar o código gráfico da língua materna.
 
O Plano Nacional de Educação –  Lei Federal nº 13.005/2014 estabelece a erradicação do analfabetismo para um prazo de dez anos, portanto, meta em razão da pandemia sanitária do coronavírus difícil de ser alcançada, todavia o trabalho árduo vem sendo construído na municipalidade de São Tomé/RN, contando com o apoio incondicional do Prefeito Anteomar Pereira da Silva (Babá) com mais de mil e cem matrículas, algo em torno de dez por cento da população local, em face da mobilização social articulado pelos animadores e sistemática empregada pelo Programa com a orientação da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto.
 
Contribuir para tentar vencer o analfabetismo e conseguir o letramento, logo no ano do centenário do nascimento do patrono da educação brasileira, Paulo Freire (19/09/1921) é uma satisfação e alegria, realizado com a rigorosidade técnica que o Freirianismo cobra, colocando para os animadores que as turmas são heterogêneas na sua composição, em faixa etária, de gênero, étnica sendo portanto, bastante plural ensejando muito diálogo e respeito aos educandos, para prevenir a possibilidade de evasão e se obter êxitos com o programa.
 
Os educandos já checam com muitas vivências, de trabalho, muitos trabalhando no subemprego, de relações matrimonias, as vezes com laços já desfeitos, desempregados, na exclusão pela falta da escrita e leitura, com autoestima baixa, formando um caldo de cultura e psicológico muito adverso, que vai depender em muito dos animadores para enfrentar os desafios que serão postos.
 
No Brasil desde a década de trinta do século XX há muitas experiências de campanhas de alfabetização, porém com poucos resultados, e no Rio Grande do Norte há experiências emblemáticas como são exemplos: De Pé no chão, também se aprende a ler com Djalma Maranhão, Prefeito exilado de Natal, da experiência Freiriana em Angicos de iniciativa do governo Aluízio Alves e com a Igreja Católica com alfabetização pelo Rádio com D. Eugênio Sales. 
 
A alfabetização e Letramento no Município de São Tomé/RN, com o programa “Aprender Mais” consiste em uma experiência de mais longo prazo, de muita inclusão social e cidadania, com envolvimento dos animadores sociais, Escolas e Secretaria Municipal de Educação, com o fim de inserir uma parte significativa da população no mundo do trabalho em um panorama de muitos desafios, dos novos saberes e tecnologias de ponta que está transformando a sociedade e as dimensões da escrita e leitura serão essenciais para o enfretamento da população para com a nova realidade que já começou..