Em tom de deboche, Mourão questiona a tortura na ditadura: “vai trazer os caras do túmulo de volta?”

18/04/2022


Foto: poder360.com.br

 

 

Em exposição à imprensa, Hamilton Mourão (PROS), vice-presidente da República, falou sobre a investigação em relação às torturas que foram cometidas durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985). Ao ser questionado sobre o processo de apuração dos crimes cometidos pelos militares, o general da reserva adotou um tom de deboche, afirmando que seria impossível trazer os mortos de volta. 

 

A declaração foi suscitada após uma indagação de um dos jornalistas acerca dos áudios, divulgados pela jornalista Miriam Leitão, em sua coluna no jornal O Globo, em que ministros do Supremo Tribunal Militar (STM) admitiram a existência de torturas contra os presos políticos durante o regime militar. “Apurar o quê? Os caras já morreram tudo, pô. [risos]. Vai trazer os caras do túmulo de volta?”, perguntou ironicamente. 

 

Apesar de não negar a possibilidade de realização das sessões de tortura, Mourão, que deverá se lançar como candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul, comparou a ditadura militar com a Era Vargas, no sentido de que ambas já estão no passado. “História, isso já passou, né? A mesma coisa que a gente voltar para a ditadura do Getúlio. São assuntos já escritos em livros, debatidos intensamente. Passado, faz parte da história do País”, disse Mourão. 

 

No mês passado, em entrevista coletiva, Mourão confessou que sua relação com o presidente Jair Bolsonaro (PL) é meramente protocolar. Nesse sentido, o general foi preterido pelo atual chefe do executivo federal como seu vice na campanha de tentativa de reeleição, que deverá contar, segundo informações uriundas do Palácio do Planalto, com a presença do general Braga Netto, atual ministro da Defesa.