Será o fim da guerra? Bar de São Paulo proíbe estrogonofe no cardápio como protesto contra a Rússia

09/03/2022


Foto: vejasp.abril.com.br

 

Na última terça-feira (3), no bar da Dona onça, em São Paulo, foi proibida a inclusão do tradicional prato de Estrogonofe no cardápio. A medida foi adotada pela direção do estabelecimento como uma forma de protesto contra a invasão da Rússia ao território ucraniano. A iguaria, que tem origem russa e foi adaptada à nossa culinária, é uma das mais requisitadas do local, com cerca de mil pedidos ao mês. 

 

Como justificativa à decisão, Janaina Rueda, dona do bar, afirmou que trata-se de uma reivindicação legítima e que a “sanção culinária” representa um ato de solidariedade ao povo ucraniano. “Povos russos estão sofrendo e envergonhados com a situação. É uma forma de falarmos que eles não estão sozinhos, já que eles não podem falar porque vivem em uma ditadura. Cabe a nós protegê-los também”, ressaltou a chef.

 

Ainda conforme as palavras de Janaína, o Estrogonofe era utilizado por ela, inclusive, como ferramenta pedagógica em escolas, onde ela o apresentava como peça-chave para discutir com os alunos sobre fatos inerentes à Segunda Guerra Mundial. Segundo ela, a ideia do veto de ordem gastronômica surgiu a partir do anúncio das ofensivas das tropas de Vladimir Putin no país vizinho. 

 

Sobre Vladimir Putin, a chef, que comanda o Dona Onça há mais de uma década, o classificou como “megalomaníaco” e salientou que milhões de pessoas não podem sofrer pela postura adotada por um só homem. ”Isso é um protesto. É sobre a cozinha ser ferramenta de educação política. Temos o intuito de alertar os povos que uma nação não é representada por um homem megalomaníaco, ela é representada por sua história cultural", enfatizou Janaína.