Covid: remédio da MSD reduziu em 65% risco de hospitalização, segundo farmacêutica indiana

23/02/2022


Foto: Divulgação / Merck

 

O remédio molnupiravir – desenvolvido pela farmacêutica estadunidense Merck (conhecida no Brasil como MSD) – reduziu em mais de 65% o risco de hospitalização pela doença. É o que apontam dados preliminares divulgados por uma farmacêutica indiana no último fim de semana.

Os resultados são de testes de fase 3, realizados na Índia, com uma versão do remédio produzida pela própria farmacêutica, a Hetero. Os dados ainda não foram validados por outros cientistas e nem publicados em revista.

De acordo com a empresa, o molnupiravir foi testado em 1.218 pacientes infectados, que apresentaram melhora no quadro clínico e testaram negativo para Covid em testes do tipo PCR dentro de 5 dias após receberem o remédio. Nenhum paciente morreu. A farmacêutica não informou se algum paciente havia sido vacinado.

De acordo com a MSD, que desenvolveu o remédio, os casos eram leves.

“Estamos empolgados em ver que, neste ensaio clínico em mais de 1.200 pacientes na Índia, o molnupiravir genérico reduziu significativamente as hospitalizações em comparação com o tratamento padrão isolado em pacientes com Covid-19 leve", afirmou Eliav Barr, vice-presidente sênior dos laboratórios de pesquisa da Merck, nos Estados Unidos, em comunicado à imprensa.

Em dezembro, a Índia aprovou o uso do molnupiravir para tratamento de pacientes adultos e com saturação de oxigênio no sangue de 93% (o nível normal é entre 95% e 100%) que tenham alto risco de progressão da doença.

Em abril do ano passado, a Hetero fechou um contrato de licenciamento voluntário não exclusivo com a MSD para a fabricação e distribuição do molnupiravir. Sob o acordo, a Hetero foi autorizada a expandir o acesso ao remédio na Índia e em outros países de baixa e média renda, seguindo as aprovações para autorização de uso emergencial pelas agências reguladoras locais.

O remédio já foi autorizado para uso emergencial em vários outros países, como Estados Unidos, Reino Unido e Japão. No Brasil, o molnupiravir não está disponível e, desde novembro, aguarda análise da Anvisa.