Piso dos Professores: categoria rejeita proposta do governo e entra em greve

14/02/2022


Foto: Sinte/RN

 

 

Os professores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, a partir desta terça-feira (15). A deliberação saiu em assembleia virtual da categoria realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte/RN) após a reunião em que o governo do Estado apresentou nova proposta em relação ao piso salarial do magistério.

Participaram da assembleia 882 professores, 90% votaram pela greve, 6% optaram por não paralisar as atividades e 3% preferiram se abster. A categoria reivindica o pagamento do piso aprovado pelo governo federal de R$ 3.845,63. Ou seja, um aumento de 33,24%.

O início das aulas no RN estava marcado para o dia 7 de fevereiro, mas devido aos números de Covid-19 entre os profissionais da educação, a Secretaria Estadual de Educação adiou o início do ano letivo para o dia 14. Contudo, em muitas escolas não houve aulas devido ao impasse ocasionado entre governo e categoria.   

Com o início da paralisação, aproximadamente 220 mil alunos da rede estadual de ensino serão prejudicados. A situação se torna ainda mais caótica para os estudantes que estão concluindo a 3ª série do Ensino Médio, em 2022, e vão fazer as provas do Enem, pois praticamente eles não tiveram aulas nos últimos dois anos devido à pandemia.

Segundo o controlador-Geral do Estado, Pedro Lopes, “os cálculos foram feitos dentro dos valores suportáveis no orçamento. E contempla ativos, inativos e pensionistas com pagamento integral dos 33,24% a todos em dezembro, mediante acordo assegurando a legalidade junto ao TRE e TCE".

Sinte/RN

Os participantes da Assembleia aprovaram apresentar ao governo uma contraproposta. No entanto, os termos ainda não foram definidos diante da complexidade do assunto.

Os próximos encaminhamentos da categoria são: apresentar ao governo do Estado a contraproposta; comunicar na terça e quarta-feira (15 e 16/02) aos estudantes e pais a decisão da Assembleia e motivos da greve; realizar Assembleia presencial na quinta-feira (17), às 14h, e apresentar à categoria os detalhes da contraproposta apresentada ao governo.

A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, avalia que é possível avançar no processo de negociação: “Quando se trata de um direito é compreensível entender o porquê a proposta foi rejeitada. Somos uma categoria que historicamente sofre com os baixos salários. Portanto, os 33,24% representam uma reposição de dois anos relativos à atualização dos nossos salários”, afirmou.