Após pegar covid de propósito, cantora tcheca morre aos 57 anos

20/01/2022


Foto: g1.globo.com

 

Na última semana, a cantora tcheca Hana Horka (57), do grupo Asonance, faleceu vítima de complicações decorrentes da covid-19. A família, que anunciou a morte da artista através das redes sociais, afirmou que Hana assumia um posicionamento contrário ao processo de vacinação. 

 

Em entrevista à rádio pública tcheca, o filho da cantora, Jan Rek, ressaltou que, enquanto ele e o pai já tinham adquirido a covid e estavam imunizados, a mãe negava a segurança e a eficiência das vacinas no combate à pandemia. Ademais, para não ter que se vacinar, a cantora decidiu se expor propositalmente ao contágio. 

 

"Ela preferiu viver normalmente conosco e pegar a doença para não ter que se vacinar. É triste que ela quis mais acreditar em estranhos do que em sua própria família", explicou Jan Rek.

 

Como prova da afirmação do filho, Hana, na época em que contraiu o coronavírus, fez uma publicação no Instagram em comemoração à contaminação. "Estou muito feliz porque, desta forma, poderei ter uma 'vida livre' como os outros, ir ao cinema, tirar férias, ir à sauna, ao teatro", escreveu quando tomou conhecimento da doença. 

 

Depois de ver muitos fãs aderindo e elogiando a sua conduta frente à pandemia, Hana, poucos dias antes de vir a óbito, chegou a compartilhar a forma como “estava vencendo a covid”. No entanto, de acordo com palavras do filho, ela começou a ter complicações, no momento em que, após uma caminhada, sentiu dores nas pernas e falta de ar.

 

Na sequência da morte da mãe, Jan ressaltou que ele e o pai tentaram convencê-la do erro que estava cometendo. Pela morte de Hana, ele culpa o ator Jaroslav Dušek e a bióloga Soňa Peková, que são representantes de um movimento antivacina no país e, supostamente, teriam influenciado na postura negacionista da cantora.