RÉUS FORAM CONDENADOS EM SETE JULGAMENTOS NO JÚRI POPULAR DE MACAÍBA

14/12/2021

Por: RÔMULO ESTÂNRLEY
Foto: Reprodução
 
O Tribunal do Júri Popular da Comarca de Macaíba realizou sete julgamentos, entre os dias 9 de novembro e 3 de dezembro de 2021, no Fórum Ministro Tavares de Lyra. No dia 9 de novembro, foram condenados dois réus: Josenaldo de Lima Pontes foi condenado à pena de 9 anos, 5 meses e 18 dias de reclusão pela tentativa de homicídio praticada na data de 11 de setembro de 2019, contra policiais civis de Macaíba, porte ilegal de arma de fogo e direção perigosa; e Arthur Henrique Soares Diniz, que foi condenado a 2 anos de reclusão por porte ilegal de arma de fogo.
 
No segundo julgamento, em 10 de novembro, houve a condenação do réu Francisco Moura dos Santos, a cumprir pena de 17 anos e 6 meses de reclusão, pelo homicídio qualificado praticado contra a sua companheira, Daiane Santos de Moura, fato ocorrido em 26 de janeiro de 2018, no povoado Capoeiras, em Macaíba.
 
Em 16 de novembro, foi a vez do ex-policial militar Jansen Herço da Silva Xavier. Ele foi condenado à pena de 17 anos e 3 meses de reclusão, pelo homicídio praticado em 05 de dezembro de 2008, contra a vítima José Iranilson Pereira de Lima.
 
No dia seguinte, 17, foram condenados três réus: Francigleydson Andrade dos Santos (16 anos de reclusão), Wagton Akin Fernandes dos Santos (13 anos e 3 meses de reclusão) e Cosme Wendell Rodrigues Gomes (18 anos de reclusão), ambos pelo homicídio praticado em 3 de dezembro de 2015, contra a vítima Gilmário Gomes do Nascimento, no bairro periférico Morada da Fé. Cosme Wendell teria sido o mandante do crime.
 
O quinto julgamento foi o do réu Leandro José Santos da Silva, que foi condenado a pena de 20 anos e 6 meses de reclusão pelo homicídio qualificado praticado em 28 de fevereiro de 2015, contra o adolescente Jadson da Costa Alves Júnior, fato ocorrido na Rua Senador Carlos Alberto, Loteamento Santa Rosa, Mangabeira.
 
Já no dia 30 de novembro, foi condenado a 28 anos de reclusão, o réu Francisco Canindé Alves da Silva. Ele é acusado de ter praticado homicídio contra o agricultor Arivaldo Medeiros da Silva, além da tentativa de homicídio contra o filho da vítima, Kleiton Vinícius Barbosa. Esse fato ocorreu na fazenda Sandiz, na comunidade rural de Lamarão, em Macaíba.  
 
E, finalmente, em 3 de dezembro passado, houve condenação à pena total de 10 anos, 1 mês e 20 dias de reclusão, para o réu José Victor Ribeiro de Lima (Victor Bocão); e 1 ano, 4 meses e 15 dias de detenção pela tentativa de homicídio contra a vítima Kelvin Rocha de Lemos, dano qualificado, sequestro e associação criminosa armada, fatos ocorridos no dia 29 de janeiro de 2020, na Vila São José.
O Tribunal do Júri Popular foi formado pelo juiz presidente, Felipe Luiz Machado Barros, titular da 3ª Vara da Comarca de Macaíba-RN, e pelo Conselho de Sentença, formado por sete jurados. Os réus foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte, representado pela promotora Lara Maia Teixeira Morais.