Comércio: Vendas de maio sobem no RN, mas acendem sinal de alerta sobre retomada

08/07/2021


 
 
 
Dados da Pesquisa Mensal do Comércio divulgados nesta quarta, 7, pelo IBGE, mostraram um crescimento de vendas no Rio Grande do Norte de 1,8% no Comércio Varejista Ampliado (que inclui Materiais de Construção e Automóveis) no mês de maio, em comparação com abril. O desempenho ficou abaixo da média nacional, que registrou crescimento de 3,8%, e deixou o RN na 6ª colocação no ranking dos nove estados nordestinos. 
 
Para o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, os números acendem um sinal de alerta. “O primeiro ponto é o fato de termos registrado um crescimento de apenas 1,8% sobre abril, mesmo considerando que temos em maio o Dia das Mães, uma das três datas mais fortes do ano para o comércio. Além disso, nossa posição quando comparamos com os demais estados da região demostra que precisamos de ações que incentivem, de fato, a aceleração do processo de retomada das atividades econômicas”, afirmou. 
 
Na segmentação das vendas, os setores de vestuário e calçados e de lojas de departamentos, outros artigos de uso pessoal e doméstico foram os únicos com desempenho animador em maio, com respectivamente 16,8% e 6,7%. 
 
Considerando o resultado acumulado do ano, o Rio Grande do Norte ocupa a última colocação no Nordeste, com um crescimento de 9,5%, também abaixo da média nacional (12,4%). 
 
“Precisamos ficar atentos a estes indicadores. Quando verificamos o detalhamento do crescimento anual, percebemos que está sustentado nos segmentos de Materiais de Construção e Automóveis. Se formos considerar somente o Comércio Varejista (que exclui estes dois segmentos), a ampliação foi de apenas 4,5%, mesmo considerando a flexibilização dos horários de atendimento de grande parte do comércio”, explicou o presidente da Fecomércio. 
 
Segundo ele, depois de 18 meses de Pandemia, a população sente os impactos da retração econômica. “Há uma alta nos preços em todo o mundo, na esteira da retomada do crescimento global. Além disso, o aumento dos preços das commodities vem influenciando diretamente no custo dos alimentos. Sabemos que, na hora do aperto financeiro, o consumo de bens e serviços fica em segundo plano”, finalizou. 
 
Comércio Varejista Ampliado (jan-mai 2021) 
 
 
 
Brasil: 12,4% 
 
 
 
Ranking Nordeste 
 
 
 
Pernambuco: 28,1% 
 
 
 
Piauí: 27,4% 
 
 
 
Maranhão: 21,1% 
 
 
 
Ceará: 19,2% 
 
 
 
Sergipe: 17,6% 
 
 
 
Bahia: 15,5% 
 
 
 
Alagoas: 13,4% 
 
 
 
Paraíba: 12,7% 
 
 
 
Rio Grande do Norte: 9,5% 
 
 
 
Comércio Varejista Ampliado (maio 2021/abril 21) 
 
 
 
Brasil: 26,2% 
 
 
 
 
Ranking Nordeste 
 
 
 
Piauí: 62,4% 
 
 
 
Ceará: 55,5% 
 
 
 
Pernambuco: 53% 
 
 
 
Bahia: 44% 
 
 
 
Maranhão: 39,3% 
 
 
 
Alagoas: 32% 
 
 
 
Paraíba: 23,1% 
 
 
 
Sergipe: 21,9% 
 
 
 
Rio Grande do Norte: 20,01%