Parnamirim: Entrevista com o pré-candidato a prefeito Edivan Sousa

01/07/2020

Por: CEFAS CARVALHO
Foto: Edivan Sousa em entrevista na PNTV/ Junho-2020
 
Quais os principais problemas de Parnamirim atualmente e se eleito, como pretende resolvê-los?
 
Prof. Edivan Sousa: O maior problema de Parnamirim é a falta de emprego e renda para população. Na educação, por exemplo, também há graves problemas com a falta de vagas em creches e na educação infantil. A deficiência neste dois segmentos da educação acarretam uma série de consequências nas modalidades seguintes, fazendo com que um município que tem 3° (terceiro) PIB no RN tenha um IDEB de 4,7 nos anos iniciais (1° ao 5° ano), o 44° (quadragésimo quarto) colocado dentre 167 municípios do estado e; o IDEB de 3,6 nos anos finais (6° ao 9° ano) o 57° (quinquagésimo sétimo). Não é por falta de dinheiro que a educação e as escolas não são melhores em Parnamirim, é por falta de prioridade. Há uma política histórica de descaso na educação, portanto com o crescimento econômico da população. Essa é a política predominante em Parnamirim atualmente, a qual, se eleito, iremos trabalhar para dar um novo rumo histórico para essa cidade. Há deficiência na formação de trabalhadores e operários. A taxa de jovens matriculados na Ensino Médio é muito baixa. Não havendo uma população qualificada para o trabalho, os investimentos no setor produtivo não acontecerão. Parnamirim perdeu muita receita com a saída de muitas empresas e indústrias. Por isso, a necessidade de criar novos pólos educativos, industriais e tecnológicos, e de uma universidade.
 
Quais as principais bandeiras e pautas de sua pré-campanha?
 
ES: Vamos fazer um debate franco e transparente com a população, mostrando dados, informações estáticas e situações reais e possíveis de se resolver. Ajudaremos a população a pensar no seu futuro e no futuro dos seus filhos e netos que viverão nesta cidade. Vamos dialogar com partidos e políticos progressistas que priorizam os trabalhadores, pois defendemos uma política que faça cessar esse círculo vicioso e ineficiente que tem se mantido historicamente em Parnamirim. Tentam fazer um novo desenho da política para este ano de 2020, mas sabemos que os atores se repetem, com os mesmos discursos ultrapassados e nada propositivos. Parnamirim tem uma história forte e rica de detalhes, sendo necessário dialogar com todos e todas, para que haja uma ampla participação democrática dos/as parnamirinenses nos nossos planos políticos para a cidade.
 
 
Como acredita que será a campanha nestes tempos de pandemia?
 
ES: Penso que será bem diferente de outros anos, principalmente no que se refere às programações e eventos que requerem aglomerações. Não serão incentivados e podem até ser proibidos. Já as outras que envolvem TV e rádios não sofrerão mudanças tão relevantes. Já a internet, as redes sociais, o uso de lives serão os meios mais utilizados, como foi nas últimas eleições de 2018. Na minha análise, as eleições não podem ser prorrogadas e tem que acontecer esse ano, tomando todas medidas necessárias para garantir a segurança e a saúde das pessoas diante da pandemia. Não é admissível a prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores. Há muitos deles pelo Brasil a fora, se aproveitando do estado de calamidade para esvaziar os cofres públicos. Se prorrogar seus mandatos seria colaborar com isso. As medidas protetivas são necessárias em qualquer hipótese, pois, mesmo com diminuição do contágio pelo vírus (coronavírus) ainda deveríamos ficar submetidos aos cuidados e proteções até que vacinas sejam testadas e distribuídas mundialmente para a população.
 
 
Quais os principais pleitos que a população parnamirinense pede na sua opinião? 
 
ES: O que mais me questionam é sobre o que penso da atual gestão e do prefeito Rosano Taveira. Há também os que perguntam sobre o que vou fazer para a população. Essa questão vem se tornando simples: vou trabalhar para que se tenham políticas públicas estruturantes nas áreas do emprego, renda e educação, favorecendo o desenvolvimento de Parnamirim de forma sustentável e que favoreça os cidadãos de forma equitativa e global. 
 
 
Se eleito prefeito/a, qual a primeira coisa que pretende fazer?
 
ES: Pretendo fazer auditoria das contas e gastos das duas gestões anteriores, isto é, de Taveira e Maurício Marques.