Isso não é ficção

23/06/2020

Por: EMANUELA SOUSA
 
 
Já estamos acompanhando a uma semana que o comércio voltou a abrir as portas e shoppings voltaram a funcionar devido a flexibilização da quarentena. Acompanhei pela televisão a data de reabertura e de imediato, um buraco abriu dentro de mim cheio de medos, preocupações e anseios, mas querendo acreditar no melhor. Foquei na parte do "as coisas aos poucos estão voltando ao normal". Comentei com alguns amigos pelo whatsapp, tentando ensaiar uma resposta otimista.
 
No dia seguinte retornando do trabalho, as ruas já estavam cheias novamente, portas do comércio levantadas e o vem e vai absurdo de pessoas (e uma meia dúzia passeando sem usar a bendita máscara) a revolta continua...
 
Lembrando que moro no centro de São Paulo e a movimentação por aqui é corriqueira a qualquer hora do dia. Me senti num filme de ficção científica, os apocalípticos que vemos pela TV e achamos que nunca vai acontecer.
 
Isso não é ficção, não é um teste é verdade.
 
A cidade sobe as portas, e eu por dentro continuo receosa. Me coloquei no lugar dos comerciantes. Eu também já trabalhei com comércio por um bom tempo, inclusive. O aluguel caro, conta de água, luz, funcionários para pagar e tantos outros gastos. Sinal verde para alguns, que desejavam ter suas rotinas de volta e o salário garantido, sinal vermelho para o número de infecctados que aumentou nos últimos dias de maneira assustadora.
 
Estamos vivendo tempos que andamos nos sentindo em um filme de ficção... Seria bom se fosse verdade... Mas é só o reflexo da realidade atual.