Presidente do Sinpef/RN fala sobre a segurança no Estado

07/02/2018


Em entrevista recente à TV Web PNTV, José Antônio Aquino também falou sobre a conjuntura da segurança pública no país, na cidade de Natal e os assustadores índices da violência nos dias de hoje.

"A situação é caótica em todo o país", começou comentando. Um dos primeiros assuntos que ele abordou foram os número assombrosos de assassinatos registrados no primeiro mês de 2018. "A priori é interessante fazer um comparativo. Segundo o Observatório da Violência, no RN, tivemos 210 assassinatos registrados em 2018 quando, em 2017, foram 2012. Houve uma pequena redução. Mas os números do ano passado englobam os 6 mortos do massacre de Alcaçuz. Quando olhamos com uma lupa, concluímos que houve um aumento, já que nesse ano, todos os assassinatos aconteceram nas ruas do Estado", explica.

O policial federal reforça que é importante não perder esses números de vista, já que a tendência é um aumento da violência. "Os gestores da segurança pública não tem sinalizado com nenhuma ação que tende a barrar o crescimento dessa violência absurda", conta José  Aquino.

Para José Aquino, o grande problema está na área estrutural das polícias e entidades ligadas diretamente à segurança pública. "Não adianta encher as ruas de policiais, se não houver ações investigativas de prevenção para atacar quem são os grupos e facções que geram essa violência. Da forma como agimos, oneramos os cofres públicos sem dar resultados", detalha o policial federal.

O presidente do Sinpef/RN teceu duros comentário sobre a gestão de segurança público do governo estadual. "Eles sinalizam claramente que a vão deixar a população do RN ao acaso, porque política públicas efetivas não serão aplicadas. Há um descompasso entre o legislativo e o executivo que impossibilitam o resolvimento dos problemas", conclui.